Os irmãos Karamázov, uma peça baseada na obra homónima de Fiódor Dostoiévski, conta com a presença de Ruy de Carvalho como convidado especial. Até dia 3 de agosto, o espetáculo realiza-se no Teatro Municipal Mirita Casimiro, no Monte Estoril (Cascais), por iniciativa do Teatro Experimental de Cascais (TEC).

O encenador Carlos Avillez definiu a estreia deste espetáculo como um “sonho muito antigo”, revelando que a peça o marcou profundamente. Apesar disso, sempre foi pondo este desejo de lado por ser um espetáculo de difícil representação e montagem.

No entanto, como se comemora o 25.º aniversário da Escola Profissional de Teatro de Cascais, dirigida pelo encenador, este decidiu arriscar. A peça conta com um elenco de quase 75 pessoas: 38 são alunos da escola aniversariante, que aí farão o seu exame final de curso.

Carlos Avillez, para o papel do patriarca da família Karamázov, Fiódor , convidou o ator Ruy de Carvalho, por ser dos pouquíssimos atores mais conhecidos do teatro português que ainda não tinha pisado o palco do TEC.

O consagrado ator não costuma fazer papéis como este: um bêbado, um depravado, um mulherengo, um tipo horrível… Ainda assim, Carlos Avillez considera que Ruy de Carvalho é um grande ator e que tem uma interpretação ‘notável’.

“É um Ruy muito devasso e é brilhante a fazê-lo.”

espetáculo

Foto: página oficial do TEC no facebook

Intérpretes e outros elementos

O ator convidado volta a contracenar nesta peça com o seu neto Henrique, que foi aluno da escola e interpreta Dmítri, o primogénito. Dmítri é o mais violento dos quatro filhos do patriarca Fiódor e o único que ousa ameaçá-lo em vida.

José Condessa interpreta Ivan, Miguel Amorim será Liosha e Renato Pino Smerdiakov, o filho bastardo de Fiódor. Luiz Riso será o monge Zóssima, Sérgio Silva um tenente e Teresa Côrte-Real será a madame Varvara.

Ruy de Carvalho é ainda o único ator fixo no papel de Fiódor. A peça terá quatro elencos – um por dia, durante quatro dias seguidos. Assim é a única forma de pôr todos os alunos a representar.

Esta versão dramatúrgica é de Graça P. Correa, a adaptação é de Jacques Copeau e Jean Croué, com tradução de Júlio de Magalhães. A tradução do romance original é de Maria Franco. A cenografia e os figurinos são da responsabilidade de Fernando Alvarez, a coreografia é de Natasha Tchitcherova e a voz é de Ana Ester Neves.

Onde podes ver

O espetáculo é para maiores de 12 anos e subiu na passada segunda-feira ao palco do Teatro Municipal Mirita Casimiro, no Monte Estoril, em Cascais. Ali fica até dia 3 de agosto, com sessões de terça-feira a sábado, às 21h30, e aos domingos às 16h00.

Reservas e mais informações disponíveis aqui.