A partir de maio de 2018, a revista literária Granta – Portugal terá uma edição única em língua portuguesa, publicada em simultâneo em Portugal e no Brasil pela editora Tinta-da-China, com textos de autores portugueses e brasileiros.

Publicada no Brasil pela editora Alfaguara, entre 2012 a 2015, e em Portugal, desde 2013, a revista passará a ser distribuída de forma simultânea, numa versão unificada, em ambos os países. A periodicidade irá manter-se como semestral e o diretor continuará a ser o jornalista e tradutor Carlos Vaz Marques.

Segundo a editora Bárbara Bulhosa, esta nova versão da revista será “um projecto literário de língua portuguesa — de modo nenhum um projecto português”, reforçando a atenção dada à literatura brasileira e passando “a convidar a cada número escritores brasileiros e portugueses, enriquecendo em muito a diversidade e o interesse da revista. Estamos, aliás, interessados em autores de todo o mundo onde se fala e escreve em língua portuguesa”.

Saíram até agora nove números da Granta – Portugal, estando em preparação o 10º, que sairá em outubro ainda apenas em Portugal. O 11º está programado para maio de 2018, o primeiro com edição simultânea em Portugal e no Brasil.

“Começámos a medo, comprometendo-nos a fazer apenas quatro números, para evitar que o projecto pudesse virar fracasso. O sucesso até a nós surpreendeu: venderam-se 8.000 exemplares do primeiro número, um pouco menos daí para cá, mas muito acima das nossas melhores expectativas”, refere Bárbara Bulhosa.

Apesar da editora portuguesa normalmente publicar com o acordo ortográfico de 1945, nenhum escritor será obrigado a respeitar o acordo de 1990 ou terá a sua ortografia corrigida. Cada edição também terá sempre ilustrações dos textos e um portefólio fotográfico, traduzindo visualmente o tema de cada edição pela lente de um fotógrafo convidado por Daniel Blaufuks, curador de imagem da revista.