Com a chegada do verão e do calor resolvemos elaborar uma lista de dez livros ideais para leres no verão.

Para muitos, é agora no verão e nas férias que surge a oportunidade de colocar a leitura em dia. Seja na praia à beira-mar, num jardim, numa esplanada enquanto se bebe algo fresco ou em casa, todos os sítios são ótimos para nos perdermos nas páginas de um bom livro. Assim sendo, aqui deixamos dez sugestões de livros para leres este verão.

Bem-vindos a Joyland, Stephen King

Fonte: Wook

Devin Jones, atualmente um homem de 60 anos, narra-nos na primeira pessoa a sua aventura de começar a trabalhar no parque de diversões Joyland, durante as férias universitárias, no verão, para ganhar algum dinheiro e também para esquecer a sua ex-namorada.
Devin acaba por se interessar por um mistério ainda sem resolução, um homicídio que ocorreu no comboio fantasma, atração naquele parque de diversões.
Com todo o impacto caraterístico das obras de Stehen King, Bem-Vindos a Joyland é ao mesmo tempo um policial, uma história de terror e um romance.
“Por detrás do brilho das luzes, escondem-se as trevas…”

Viagem ao mundo da droga, Charles Duchaussois

Fonte: Wook

Publicada pela primeira vez em 1971, esta obra consiste na aventura vivida por um drogado, que foi também um traficante e um aventureiro. Um livro que nos mostra a verdadeira face da droga e os seus efeitos, os quais são descritos cruamente, sem romantismo nem complacências, desde a degradação e ao limiar da loucura até à lenta cura.

A narração leva-nos por Marselha, Istambul, Bagdad, Bombaim e muitos outros locais até ao destino final de Charles Duchaussois, Catmandu, paraíso da droga e dos hippies, num percurso repleto de peripécias.

O rapaz do pijama às riscas, John Boyne

Fonte: Wook

De leitura fácil e retratando fielmente a época, somos levados até ao dia a dia de Bruno, rapaz alemão de 9 anos, filho de um oficial do exército nazi. Com a promoção do pai Bruno vê-se obrigado a mudar para uma nova casa, delimitada por uma vedação que o isola das pessoas do outro lado, as quais, curiosamente, usam pijamas às riscas.

Um dia, Bruno desobedece ao pai e parte numa das suas adoradas explorações, a qual o leva a travar amizade com um rapaz da sua idade que veste um dos estranhos pijamas às riscas.

Um pequeno mas bastante poderoso romance recomendado pelo Plano Nacional de Leitura. É uma história bela, envolta em doçura, bondade e bastante ingenuidade mas sempre com uma pano de fundo repleto de perversidade e crueldade.

Inferno, Dan Brown

Fonte: Wook

Lançado a 14 de maio de 2013, este livro, o sexto do afamado autor Dan Brown, ganhou este ano um novo fôlego com a estreia da sua adaptação cinematográfica no outono.

Nesta obra seguimos o professor de Simbologia de Harvar, Robert Langdon, na sua aventura em Itália onde se vê enredado num mistério com ramificações e consequências globais, estando este intimamente ligado com a fascinante obra de Dante.

Vendo a sua e a vida da jovem médica, Sienna Brooks, ameaçadas, Robert parte numa corrida alucinante munido apenas do seu grande conhecimento e alguns versos do Inferno de Dante.

Tendo por base a questão da sobrepopulação, passado num cenário soberbo, Inferno é um romance e thriller bastante emocionante, de cortar a respiração.

Lê mais: O Inferno, a Divina Comédia e o Robert Langdon

Morte na Praia, Agatha Christie

Fonte: Wook

Publicado pela primeira vez em 1941, Morte na Praia é mais um romance policial de Agatha Christie, protagonizado pelo conhecido Hercule Poirot.

Descansado, a tentar aproveitar as sua férias numa ilha da costa de Devon, em plena época balnear, Poirot começa-se a adivinhar no meio de um cenário complexo e sinistro. Muitas personagens excêntricas e sombrias, um triângulo amoroso.

Quando o pior acontece Poirot é obrigado a abdicar das suas férias e a dedicar toda a sua atenção a mais um caso.

Lê mais: Agatha Christie: Top 5 

O francoatirador paciente, Arturo Pérez-Reverte

livros

Fonte: Wook

O Francoatirador paciente leva-nos a explorar os grafites, a arte urbana e as suas leis e códigos próprios. Este movimento artístico consiste em arte ou vandalismo? Onde está o limite?

É dentro desta realidade e deste panorama que se desenha um formidável duelo de inteligências, um jogo de perseguição entre caçador e presa cujo final é, no mínimo, surpreendente.

Neste thriller de Reverte, um dos mais aclamados autores espanhóis da atualidade, viajamos entre Espanha, Portugal e Itália, explorando a sociedade e a sua visão sobre a arte urbana enquanto se empreende uma caça ao homem.

O assassinato de Pitágoras, Marcos Chicot

Fonte: Wook

Marcos Chicot dá-nos a conhecer um poderoso thriller histórico, através do qual nos transporta até à Grécia antiga e nos apresenta um dos maiores génios de sempre, Pitágoras.

Pitágoras pretende passar o testemunho e escolher um sucessor entre os seus melhores discípulos, quando, de repente, estes começam a ser assassinados um a um. Cabe então a Akenon, famoso investigador egípcio resolver o mistério, contando para isso com a ajuda da filha de Pitágoras, Ariadna.

Templários, Canal História

Fonte: Wook

Para os mais apaixonados pela história, sugerimos o livro Templários do Canal História.

Esta obra aborda evidentemente o tema e época dos templários. Como surgiram, os seus modos de vida, as suas guerras, pessoas importantes, ou seja, tudo, desde a sua criação até à extinção e perseguição da ordem. É também retratado o papel dos templários na na Península Ibérica e a sua ajuda na reconquista cristã.

O livro é baseado na série do Canal História a qual foi produzida em Portugal e Espanha.

As intermitências da morte, José Saramago

Fonte: Wook

As intermitências da morte do distinto José Saramago apresenta-nos uma “realidade alternativa”, um país onde ninguém morre. Através da exploração desta realidade hipotética, Saramago debruça-se sobre todas as consequências que daí advêm, tal como o a posição da Igreja (visto a morte ter um papel importante na religião), o estado dos hospitais, das funerárias, do governo, a questão das heranças, e não só, nunca deixando de parte a crítica social, sua fiel companheira.

Ao desenvolver esta realidade, Saramago presenteia-nos com uma verdadeira reflexão sobre o ser humano, a vida e a morte.

A montanha da água lilás, Pepetela

Fonte: Wook

A montanha da água lilás, do escritor angolano Pepetela, consiste numa história que retrata uma sociedade alicerçada no egoísmo, ambição e competição, possuindo, assim, um carácter moralista.

Nesta fábula, os personagens, lupis, moram numa montanha, a qual eles julgavam ser normal, até descobrirem que possui uma nascente de um líquido lilás e perfumado, do qual eles imediatamente se aproveitam. Isto trará diversas consequências, tanto para eles como para os outros habitantes das redondezas.