The Queen is Dead. Este nome diz-vos alguma coisa? Se calhar não, mas se vos falarmos dos The Smiths alguma luzinha deve acender-se. Pois, aí está. Aquela banda que está incluída na banda sonora do filme The Perks of Being a Wallflower (2012). Também têm aquela música muito indie sofredora There Is A Light That Never Goes Out.

Sim, são os The Smiths. Provenientes do berço do indie, a cidade de Manchester, surgiram nos anos 80, numa época em que o Reino Unido estava sob o governo de Margaret Thatcher. A política neoliberal da Dama de Ferro, como era chamada,  foi alvo de grandes críticas pelos artistas da época e os The Smiths não ficaram de lado.

A banda britânica composta por Steven Morrissey (vocalista), Johnny Marr (guitarrista), Andy Rourke (baixista) e Mike Joyce (baterista) foi considerada pelos críticos como uma das mais influentes do género indie. Numa poll realizada pelo NME, no ano de 2002, foi eleita a banda mais influente de sempre.

Apesar de todas as divergências que culminaram no desfecho da vida dos The Smiths, as datas marcantes não são esquecidas. Sexta feira, dia 16 de junho de 2017 marcou o trigésimo primeiro aniversário daquele que é o terceiro álbum de uma das melhores bandas de sempre. São trinta e um anos desde o lançamento de The Queen is Dead (1986).

Aniversário de um dos melhores álbuns de sempre

Foi por muitos considerado um dos álbuns mais influentes da década de 80 e, por outros tantos, um dos melhores álbuns de sempre. The Queen is Dead foi lançado pela Rough Trade Records e tem letras escritas por Morrissey e Marr, que variam entre a descrição da solidão e tristeza e a crítica social.

Dez são as faixas que compõe aquele que pode ser observado como o opus magnum da banda de Manchester. De I Know It’s Over a Bigmouth Strikes Again, passando pelo tema que dá título ao álbum e pela mais famosa de todas There Is A Light That Never Goes Out, ficamos rendidos ao timbre de Morrisey e aos incríveis solos de Johnny Marr.

Durante a última semana, a página oficial do Facebook dos The Smiths foi deixando várias mensagens crípticas e imagens com pistas.

Na sexta feira, num comunicado na mesma rede social foi anunciada a reedição do single The Queen Is Dead, em dois formatos de vinil diferentes.

“16th June, 1986: ‘The Queen Is Dead’ is released in the UK. To mark the date, 2 ‘The Queen Is Dead’ singles are available now, one is a four-track 12” vinyl and one is a two-track 7” picture disc. Head to record shops everywhere today. #TQID” – Facebook Oficial dos The Smiths

Nos vinis de 12 polegadas, o modelo mais comum, podemos encontrar para além da edição especial do single, os b-sides: Oscillate Wildly, Money Changes Everything e The Draize Train. A versão de 7 polegadas é composta por The Queen Is Dead e por I Keep Mine Hidden, que, supostamente, foi a última canção gravada pela banda britânica.

Ambas as versões estão disponíveis para compra em todo o mundo, incluindo em Portugal.