Nashville 5×13: de volta ao passado de Juliette

Esta quinta temporada de Nashville tem sido, em grande parte, sobre a reconstrução pessoal e profissional de Juliette (Hayden Panettiere). E parece que, esta semana, ela conseguiu finalmente pôr os pés de volta no topo. O novo episódio, intitulado Til I Can Make It On My Own, estreou no CMT no dia 8 de junho.

Scarlett (Clare Bowen) decide dar mais um passo adiante e confessar a Damien (Christian Coulson) que está grávida e ele é o pai da criança. Este, em troca, responde que a ama e está pronto para começar uma família com ela.

Enquanto isso, Gunnar (Sam Palladio) vê-se preso no meio deste triângulo sem saber o que fazer. Ora deixem-me ver se percebi: Scarlett tem dois homens a seus pés e, na verdade, ela nunca foi propriamente uma mulher interessante. Talvez durante a primeira temporada. Quero saber o segredo dela. Enfim, adiante.

Daphne (Maisie Stella) continua afastada da família e, após ver Liv (Odessa Adlon) ferir-se durante uma fuga, decide levá-la para casa consigo e mantê-la escondida no quarto. Deacon (Charles Esten), ao descobrir da situação, prova pela milésima vez ser o melhor pai do mundo e decide deixar a jovem ficar.

Este não é, contudo, o único drama para Deacon esta semana. Zach (Camerom Scoggins) continua a fazer pressão para que Bucky (David Alford) seja despedida da Highway 65. Bucky, ao saber da situação, decide tomar a atitude nobre e demitir-se. Afinal, ninguém tem de estar onde não é bem-vindo, suponho.

A estrela da semana é, obviamente, Juliette. Com a sua primeira atuação desde a queda de avião a aproximar-se, ela começa a sentir-se estranha: músculos fracos, medo do palco, sentido de despersonalização. O médico diz-lhe que tal pode dever-se a algum trama do passado que ficou recalcado. E não podia estar mais correcto.

Em vários momentos do episódio, Juliette prenda-nos com flashbacks à sua infância, nomeadamente ao momento em que o seu pai a abandonou – ou pelo menos foi a história que a mãe lhe contou. No entanto, numa cena mágica que ficamos sem perceber se é memória ou fantasia, o pai anuncia que nunca a quis deixar. Fica então a questão se o pai de Juliette pode ainda vir a prestar uma maior papel nesta temporada.

Querendo provar a si mesma que consegue ultrapassar qualquer obstáculo, a artista decide dispensar o coro gospel da atuação. Contudo, arrepende-se imediatamente da situação e o coro, dotado de um coração de ouro gigante, entra em palco com ela, para uma rendição fenomenal de I’m On My Way que fechou o episódio de forma perfeita.

NOTA: 8/10

Mais Artigos
secret story Confessionário Teresa Guilherme
Opinião. No regresso, Teresa Guilherme pode construir futuro a partir da memória?