Vernor Winfield McBriare Smith IV. Este nome sem qualquer rosto para lhe atribuir seria provavelmente dedicado a algum aristocrata pomposo de sangue azul. Aristocrata não o é – e muito menos pomposo. Este é o verdadeiro nome de nascimento do artista Mac DeMarco. Este indivíduo, proveniente da cidade de Duncan no Canadá, tem vindo a destacar-se entre a comunidade indie.

O que distingue Mac DeMarco de qualquer outro músico é definitivamente a sua postura fora do normal. Aliás, fora do normal é uma definição escassa. Dir-se-ia antes lunático, excêntrico e alheio aos modos “politicamente corretos” da sociedade. É isso que o torna numa figura tão adorada. Em complemento a esta personalidade única, o “despreocupado príncipe do indie rock” é um génio musical.

Com o passar do tempo, o artista foi ganhando uma notável maturidade nas suas composições. This Old Dog, o seu disco mais recente, é um perfeito exemplo dessa transformação. “Este álbum tem muito a ver com a minha família, a minha vida e como me sinto”, confirmou o canadiano, em entrevistas.

A ascensão do jovem rebelde

Com os 18 anos feitos, o nosso herói mudou-se para a cidade de Vancouver. Aí fez parte de uma banda chamada Makeout Videotape, onde lançou duas EP’s e um álbumEssa experiência serviu-lhe de rampa para tentar uma carreira a solo. E que bem que ele fez.

A 13 de março de 2012, ajudado pela Captured Tracks, apresenta Rock and Roll NightclubCom uma combinação de rock e new wave, as suas músicas enquadram-se num peculiar clima de sedução, fomentada com uma voz grave presente em quase todas as canções.

Mais tarde, o cantor admitiu que fez este disco como um tipo de paródia. Nunca pensou que o levassem a sério. Mesmo assim, teve um bom feedback por parte dos críticos.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=92Z1zUS65Gw]

E depois do álbum número um, vem o número doisAinda no mesmo ano, Mac DeMarco lança 2uma obra-prima da música psicadélica. Com êxitos como Ode to Viceroy, My Kind of Woman e Still Together, o mundo conhece a face alternativa do cantor nos seus 22 anos.

Principalmente, é nesta altura que começa a nascer a sua aptidão na área da composição. Mac aborda temas como um amor não correspondido, canta um pedido de desculpas à mãe pela sua constante atração para o sarilho e faz uma ode à sua marca favorita de cigarros. Sim, é verdade. Uma ode a um maço de cigarros.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=6bfTTeZOrs4]

Com a idade, vem sabedoria

“Eu, de repente, sinto-me desgastado e abatido e todo crescido”, declarou após a finalização de uma intensiva tour. Foi nesse estado de espírito que elaborou no seu novo apartamento, em Brooklyn, Salad Days. Este álbum, lançado em 2014, é talvez o que melhor traduz o crescente amadurecimento do músico. O próprio referiu que Salad Days não teria nenhuma melodia que não significasse “absolutamente nada”. 

Três das criações deste novo disco foram dedicadas à sua namorada de longa data, Kiera McNally. Para além destas, aborda assuntos como a necessidade de uma honestidade, por vezes fatal, num relacionamento. Este está presente em Let Her Go.

Outro grande exemplo deste “homem novo”, é a Salad Days. É nesta canção que Mac reconhece que os melhores anos da sua vida, os seus salad days, passaram por ele. Agora limita-se a viver o aborrecimento e a monotonia do dia-a-dia, que já não traz nada de novo.

Esta, juntamente com Chamber of Reflection, são provavelmente as que têm uma mensagem mais profunda neste álbum. Numa entrevista, o cantor explicou o sentido desta última. “É um quarto onde as pessoas vão antes de entrarem na maçonaria. É como um quarto de meditação, onde te trancam durante um período de tempo. O objetivo é refletir sobre as coisas que fizemos na vida e seguir em frente”.

O disco obteve grande reconhecimento, sendo premiado pela New Musical Express como o segundo melhor álbum do ano.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=NY8IS0ssnXQ]

This Old Dog ain’t about to forget

O auge, até agora, da lírica “DeMarquiana” reside no mais recente disco, This Old DogLançado em maio de 2017, é o sucessor do mini-álbum Another One. .

“Uh-oh it looks like I’m seeing more of my old man in me”. Estas são as palavras do refrão da primeira música, My Old Man. Aqui vê-se o seu descontentamento e raiva por se ver cada vez mais parecido ao seu pai, que o abandonou quando tinha apenas seis anos. Estes sentimentos tornam-no frio com as pessoas que ama, como se observa na segunda música, This Old Dog.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Ykp1tXcYXkc]

This Old Dog é também “uma carta de amor à sua família e amigos”. For The First Time é unicamente dedicado a Keira. Exalta a sua paixão por ela, dizendo que cada vez que a vê, é como se a visse novamente pela primeira vez. É também em Sister que o jizz jazzer dedica “o seu coração” à sua meia-irmã.

Presente na maioria dos sons de Mac, está uma constante presença de um amor falhado. Still Beating é a sexta da lista e refere-se a uma possível desavença amorosa. Apesar deste rompimento, o cantor ainda sente algo pela ex-companheira. Traduzido, o refrão diz: “Querida, o meu coração ainda bate por ti, mesmo que não o sintas”.

De todas as canções, a mais profunda é, sem dúvida, a Watching Him Fade Away. Terminando o álbum, esta canção mostra o grande dilema que Mac enfrentou na altura. Com o seu pai gravemente doente, teve de escolhe entre fazer as pazes, ou simplesmente deixá-lo desvanecer, como vingança de um filho deixado. O refrão traduzido seria “e apesar de mal nos conhecermos, mesmo assim magoa vê-lo desaparecer”.

Num jeito de conclusão, Mac DeMarco, com a sua recente musicalidade, começa a mostrar um lado mais pessoal. Percorreu um longo caminho desde Rock and Roll Nightclub, cheio de mudanças a nível profissional e pessoal. Contudo, a simplicidade e pureza da sua música foi permanecendo e aperfeiçoando-se ao longo dos álbuns. A sua capacidade de passar mensagens tão potentes com versos tão naturais é de aplaudir.