Foi no passado mês de abril que a Samsung disponibilizou os novos Galaxy S8 e Galaxy S8+ ao público. A equipa do Espalha-Factos recebeu o Galaxy S8+ para teste e dizemos-te tudo aquilo que precisas de saber sobre o novo equipamento e o nosso veredito final.

Os novos Galaxy S8 apresentam novidades em vários departamentos mas a maior de todas é a nível estético. Ao contrário do que tem vindo a ser apanágio da marca em anteriores smartphones de toda a gama Galaxy (desde o S até ao S7), nestes novos equipamentos é o ecrã que assume uma posição de destaque.

galaxy s8

Galaxy S8+

Quem não se lembra dos telemóveis Galaxy em que a parte superior do equipamento era ocupada com o logótipo da Samsung e na parte inferior estavam os botões multifunções? Agora chegou a altura de dizer adeus a um look desinteressante e já velhinho, e abraçar um novo tipo de design pautado pelo minimalismo e pela proeminência do ecrã.

Galaxy S8: do ecrã infinito ao botão home virtual

Neste novo Galaxy S8 não há um logótipo medonho gravado com letras garrafais nem botões físicos a ocupar espaço desnecessário. Ao invés, temos um ecrã proeminente e curvado nas laterais que preenche todo o telemóvel de cima abaixo, designado de ecrã infinito (“infinity display”). A área ocupada pelo ecrã deste novo S8 é quase total, o que faz deste equipamento uma excelente aposta para consumo multimédia: já que todas as imagens ou vídeos preenchem por completo o display. 

A proporção de ecrã do novo equipamento é de 18:9 o que significa que, em certas aplicações (como a do YouTube), o software estica a imagem de maneira a preencher o display por completo. Ainda que este modo possa cortar ligeiramente a imagem, o utilizador pode desligar esta funcionalidade e assistir a qualquer vídeo em 16:9 com as características barras negras horizontais.

O ecrã Super AMOLED do novo Galaxy S8 apresenta uma nitidez incrível com cores muito vivas e vibrantes e é, sem dúvida, o melhor ecrã de qualquer smartphone no mercado até ao momento. Ainda assim, é pena que não venha com todas as funcionalidades ativas out of the box.

galaxy s8

A área do Galaxy S8+ é toda display útil

Nas definições do ecrã, o utilizador pode escolher três tipos de resolução de display: HD+ (1480×720), FHD+ (2220×1080) e, por último, WQHD+ (2960×1440), que procura tirar partido do enorme display de 6,2 polegadas do Galaxy S8+. Numa primeira utilização, a opção ativa era a segunda (FHD+) que, segundo a própria Samsung, possibilita uma qualidade de imagem nítida e razoavelmente boa, ainda que não tire o máximo proveito do ecrã.

Tendo em conta que o display infinito é, talvez, a parte mais importante deste novo equipamento, porquê limitar o utilizador a uma resolução inferior com o pretexto de oferecer uma maior autonomia a nível de bateria? A diferença de imagem é obviamente abismal entre as várias resoluções mas a mudança de FHD+ para WQHD+ não teve qualquer impacto significativo na duração da bateria durante os nossos testes.

Lê também: Botão home do Galaxy S8 muda de posição para preservar o ecrã

Outra das novidades neste novo equipamento é a introdução de um botão principal virtual, colocado na parte interior do ecrã. O toque é acompanhado de uma vibração muito subtil, que nos assegura que estamos a utilizar o botão para regressar ao nosso ecrã principal.

Design minimalista e clean marcam um novo paradigma

O novo Galaxy S8 tem um acabamento em alumínio e está disponível em três cores diferentes: cinza prateado, cinzento orquídea e preto brilhante. Embora a versão superior do Galaxy S8 tenha uma dimensão diagonal de 6,2 polegadas, a sua utilização com uma só mão torna-se muito mais fácil já que o telemóvel é todo ele mais estreito que, por exemplo, um iPhone 7 Plus.

Ao longo de toda a semana do teste, nunca houve necessidade de colocar qualquer tipo de capa ou película já que o acabamento metalizado do alumínio permite que o equipamento nunca escorregue das mãos mesmo quando elas estão suadas.

O único defeito apontado a este novo design é a decisão de colocar o sensor de impressões digitais na traseira do telemóvel, junto à câmara fotográfica. Foram algumas as vezes em que, ao tentar desbloquear o telemóvel, o dedo tocava na lente da câmara, sujando-a e, consequentemente, provocando fotografias desfocadas e de baixa qualidade.

galaxy s8

O sensor de impressões encontra-se posicionado paralelamente à câmara

Permitam-nos que sejamos um pouco picuinhas: havia mesmo necessidade de a entrada USB-C se encontrar desalinhada das colunas e da entrada para auriculares? São pequenos detalhes que, num telemóvel tão bonito e simples, acabam por se tornar deselegantes.

Novos modos de câmara

Apesar de manter os mesmos 12 megapíxeis do Galaxy S7, a câmara do S8 possui um novo sensor que, juntamente com uma otimização do software, traz melhorias nas fotografias captadas com o novo smartphone. Além disso, a grande diferença entre as duas câmaras está, precisamente, na rapidez com que tira a fotografia assim que o dedo toca no botão de disparo.

Na nova câmara do S8 existem agora duas formas de tirar uma fotografia: de forma automática ou ativando o modo profissional. Neste último, são permitidos alguns ajustes à exposição, à abertura ou à velocidade da lente de maneira a poder controlar a fotografia consoante o ambiente em que nos encontramos.

galaxy s8

A câmara do Galaxy S8 consegue captar fotografias fantásticas

E como não podia deixar de ser, existe também uma nova funcionalidade à la Snapchat onde podemos aplicar filtros, desenhos ou bonecada nas nossas fotografias, tornando-as únicas e mais divertidas.

TouchWiz, o patinho feio das skins Android

Assim que retirámos o Galaxy S8 da caixa, a primeira notificação que recebemos dizia respeito à atualização do sistema para a versão 7.0 do Android.

O TouchWiz, uma espécie de tema para Android tal como a Samsung entende que o sistema deve ser e parecer, já não é a nódoa que era nos tempos do Galaxy S II . Isso não impediu que, de vez em quando, as quebras de frame e o lag nas animações surgissem de forma aleatória em alturas em que o equipamento não se encontrava em esforço.

galaxy s8

O TouchWiz continua igual a ele mesmo: inconfundível a nível estético e muitas vezes confuso de utilizar

A questão estética é sempre pessoal e, por isso, acabámos por instalar o Google Launcher, da Google, de forma a dar um toque mais stock do Android puro presente em equipamentos da linha Nexus, agora extinta, e no mais recente Google Pixel, lançado em outubro de 2016.

A nível de software, a Samsung introduziu também uma nova funcionalidade no seu novo equipamento: o assistente pessoal Bixby, que até tem um botão físico dedicado no lado esquerdo do telemóvel, diretamente por baixo dos botões de controlo de volume. Imagina que estás a tirar uma fotografia a algum objeto e queres conhecer mais sobre a sua história; ou que te encontras a ler um panfleto de publicidade a uma livraria antiga e queres saber como lá chegar. Basta ativares o Bixby com um simples clique no botão e o assistente deverá identificar o objeto e fornecer-te todas as informações necessários e relevantes à tua pesquisa.

É pena que não seja possível programar o botão de maneira a que, ao invés de invocar o Bixby, acione o Google Assistant, que faz tudo aquilo que o assistente pessoal da Samsung pretende fazer, só que de melhor forma.

Considerações finais

O Galaxy S8 é um equipamento incrível com funcionalidades úteis e bem limadas. É que, além do desbloqueio via impressão digital, que se foi tornando mais fiável e inteligente desde o Galaxy S5, é ainda possível o desbloqueio com a íris dos nossos olhos. Isto serve para dar acesso à Pasta Secreta (“secure folder”), onde podem ser colocados documentos de teor mais sensível, como informações bancárias, fotografias ou faturas, que só podem ser visualizados pelo dono do telemóvel.

Além disso, o reconhecimento facial do Galaxy S8 funciona surpreendentemente bem e demora pouquíssimos segundos a reconhecer o rosto do utilizador, mostrando-se bem mais prático que o sensor de impressões digitais – que se encontra estrategicamente mal colocado junto à câmara e que, na versão S8+, obriga a uma maior ginástica de dedos.

O novo smartphone da Samsung é também resistente ao meio dos seus utilizadores. Embora uma queda seja quase sempre sinónimo de ecrã partido – mais ainda neste em que o ecrã é curvado – o S8 é totalmente resistente aos pós e à água. Quem nunca usou o telemóvel como máquina de karaoke no banho? Gostas de levar o teu telemóvel para a praia para tentar tirar umas fotografias engraçadas dentro de água? Tudo isto deixou de ser um problema.

A nível de performance é o esperado. Além do ocasional lag originado pelo TouchWiz, o telemóvel não teve qualquer tipo de dificuldade em aguentar dias de uso intensivo com multitasking entre inúmeras apps de social media e jogos como o Leo’s Fortune, Asphalt 8, Real Racing 3 ou N.O.V.A. 3. O poderoso CPU de oito núcleos e os 4GB de RAM são mais que suficientes para garantir uma experiência fluída de utilização diária.

A bateria, de 3500 mAh, tem uma autonomia incrível e durou-nos o dia inteiro sem qualquer dificuldade durante períodos alargados de uso intensivo. Durante o tempo de teste, o equipamento saiu da tomada às 09h com 100% e regressou à tomada às 22h com ainda 20% de bateria restante.

O Galaxy S8 é um excelente equipamento, que virá rivalizar com o próximo iPhone 7s (ou 8?). O conjunto das funcionalidades presentes no novo equipamento e a atitude da gigante tecnológica sul-coreana em reconhecer a necessidade de mudança, após um lançamento conturbado do Galaxy Note 7, mostram a inteligência da marca em se adaptar ao mercado.

galaxy s8

Galaxy S8+ e acessórios

Fora alguns detalhes que, dependendo do ponto de vista poderão parecer mais ou menos insignificantes, o Galaxy S8 é um smartphone perfeito na maneira como marca um novo paradigma a nível estético e funcional dos próximos equipamentos. Os novos telemóveis já se encontram disponíveis por 819,99 euros, na versão normal, e 919,99 euros na versão S8+.