Trindade é uma curta-metragem que nasceu da criatividade de Diogo Simão, realizador, argumentista e produtor executivo desta obra. O Espalha-Factos teve a oportunidade de entrevistar o realizador, permitindo assim mergulhar nas vivências da produção de Trindade e entender como é que se encara o desafio de produzir uma curta-metragem.

Espalha-Factos: Como nasceu a ideia e inspiração para Trindade?

Diogo Simão: A ideia original surgiu através de conversas entre mim, a Mariana Ramos e o Adriano Ferreira, produtores do filme. Numa fase inicial desenvolvemos as personagens individualmente, encaixamo-las e, por fim, escrevi o guião. O processo deu-se desta forma para que a curta-metragem pudesse ser produzida com um baixo orçamento, visto não termos qualquer apoio financeiro. Sem grande margem para floreados técnicos o nosso foco foi a criação de personagens complexas e de uma narrativa centrada nelas.

MAKING OF TRINDADE – Realização – by Adriano Ferreira

MAKING OF TRINDADE #1 – Realização

Gepostet von Trindade – Shortfilm am Donnerstag, 18. Mai 2017

EF: Qual foi o maior desafio durante a escrita do teu argumento?

DS: Creio que a escrita de diálogo é um dos grandes “bichos-papão” do trabalho de um argumentista. Eu tenho background em teatro e grande parte do meu trabalho é como ator: e isso sem dúvida que ajudou a colocar-me no lugar das personagens e a “ouvir” as suas vozes. Foi vital, já que a curta-metragem é, essencialmente, uma conversa entre 3 personagens totalmente distintas e com pontos de vista sobre o mundo e a Humanidade completamente díspares.

Trindade

Cartaz de autoria de Cátia Soares

“(…) A equipa é que está a dar o “sopro de vida” à vossa criação”

EF: Que conselhos darias a alguém que gostaria de se aventurar no mundo do cinema?

DS: Encontrem pessoas com quem gostem de trabalhar e que gostem de trabalhar: só com estas duas coisas têm metade do trabalho feito. Tentem descobrir no que se sentem mais confortáveis: som, imagem, argumento, arte, produção… Existem dezenas de cargos em cinema e todos contribuem enormemente para que o filme seja feito. Sejam proativos, sejam minuciosos na pré-produção e, acima de tudo, humildes. É a equipa que está a dar o “sopro de vida” à vossa criação e sem a contribuição dela o filme pode falhar ou, pior ainda, não existir. É importante que o dia chegue ao fim e que todos vejam o seu trabalho recompensado, no mínimo dos mínimos, com um obrigado e um abraço. O dia seguinte será sempre mais fácil.

MAKING OF TRINDADE #2 – Atores by Adriano Ferreira

MAKING OF TRINDADE #2 – Atores, representando o Te.Atrito

Gepostet von Trindade – Shortfilm am Samstag, 20. Mai 2017

EF: Se pudesses resumir a experiência de criar esta curta-metragem numa só palavra, qual seria?

DS: Desafiante.

EF: Qual foi para ti o momento mais difícil na realização de Trindade?

DS: As gravações. Tive que articular alguns cargos (realizador, ator, produtor executivo) e, em set, tudo acontece muito depressa e o tempo é escasso. Aqui foi essencial o trabalho da minha assistente de realização, Leonor Bettencourt Loureiro, e da Mariana Ramos, que trabalhou também como anotadora. Ter pessoas que equilibrem a equipa, sejam comunicativas e diplomáticas é uma mais valia inestimável em qualquer produção.

“Os desafios existem para ser superados e esse é um dos motivos pelo qual eu gosto tanto de fazer cinema: aprender ao ser desafiado”

EF: A realização de Trindade deu-te algum ensinamento que tens a certeza que terás sempre em consideração durante a tua vida profissional?

DS: Tantos que seria improvável conseguir enumerá-los a todos. Alguns de índole mais técnica, outras a um nível pessoal. Tem sido um processo que já se estende à mais de um ano e meio (entre pré-produção, produção e pós-produção) e que me tem permitido trabalhar lado a lado com profissionais incríveis. Os desafios existem para ser superados e esse é um dos motivos pelo qual eu gosto tanto de fazer cinema: aprender ao ser desafiado.

MAKING OF TRINDADE #3 – Direção de Arte e Guarda-Roupa – by Ad…

MAKING OF TRINDADE #3 – Direção de Arte e Guarda-Roupa

Gepostet von Trindade – Shortfilm am Montag, 22. Mai 2017

“Ponderar em respostas para questões sobre as quais nunca pensaram, enquanto se é entretido, é a razão pela qual se paga pela arte”

EF: O que pode o público esperar de Trindade, tendo em conta a sua sinopse, no mínimo, invulgar?

DS: Eu acredito que, enquanto realizador, tenho o dever de entreter o público que se senta à frente do ecrã para ver e ouvir o que tenho para lhes dizer. Nesse sentido, se a sinopse vos aliciar, podem também esperar questões que vos façam reflectir sobre o estado atual do mundo em que nos encontramos. Ponderar em respostas para questões sobre as quais nunca pensaram, enquanto se é entretido, é a razão pela qual se “paga” pela arte. Os bons filmes são sempre aqueles que te fazem ficar ou sair da sala (com um sorriso no rosto ou lágrimas nos olhos)  a discutir hipóteses com quem está ao teu lado. É esse tipo de filme que almejo criar.

Lê também: Trindade: uma curta-metragem vampírica

MAKING OF TRINDADE #4 – Fotografia, Iluminação e Som – by Adri…

MAKING OF TRINDADE #4 – Fotografia, Iluminação e Som – by Adriano Ferreira

Gepostet von Trindade – Shortfilm am Mittwoch, 24. Mai 2017

EF: Quais as expectativas que tens em relação ao sucesso da curta, a posteriori da sua estreia?

DS: (In)felizmente, devido aos acontecimentos de índole político-social do último ano e meio, creio que o argumento do Trindade e as situações sobre as quais reflecte têm ficado cada vez mais pertinentes. Sucesso era mesmo conseguir que este filme pesasse o suficiente na vida de alguém, de forma a suscitar uma mudança para melhor. Espero que não esteja a ser demasiado utópico… Creio também que o objectivo que uniu a equipa, para além de fazermos todos juntos um filme em que acreditássemos, foi também conseguirmos mostrar o nosso melhor trabalho. Sinto que é meu dever para com a equipa tentar mostrar esse trabalho ao máximo número de pessoas possível: e é isso que vou fazer nos próximos meses. Isso e filmar a minha quinta curta-metragem. Já tenho mais uma pronta a sair e outra em pós-produção. Posso também considerar isto sucesso: continuar a fazer o que tenho feito, melhor e com pessoas de quem gosto.

Trindade tem ante-estreia marcada para dia 26 de maio, no IPDJ de Faro, pelas 21:30. O visionamento da curta-metragem será aberto ao público.