Nas redes sociais, um dos pontos principais é escolher a nossa fotografia de perfil. Contribui para a primeira impressão que damos às pessoas que visitam a nossa página. Podemos ser nós a escolher as nossas fotografias ou podemos pedir para escolher por nós. Um estudo publicado no mês passado sugere que devemos ir mais pela segunda via.

David White, Clare Sutherland e Amy Burton, autores de “Chossing face: The curse of self in profile image selection“, publicado na revista científica Cognitive Research: Principals and Implications, acreditam que somos maus a escolher as fotografias que vão dar uma melhor imagem de nós. Explicação para isto? Conhecemos demasiado bem as nossas caras para fazer um julgamento correto. Temos também tendência a achar que somos mais bonitos do que realmente somos.

Os investigadores pediram a um grupo de estudantes para escolherem 12 fotografias dos seus perfis de Facebook. As imagens selecionadas foram cortadas até só restarem as caras de cada pessoa. Cada estudante avaliou vários atributos, como a confiança que cada um achava que a sua fotografia projetava. Foram também interrogados sobre que imagem é que usariam no perfil de uma rede social.

O exercício foi repetido, mas desta vez outros estudantes avaliaram as mesmas fotografias. As suspeitas confirmaram-se. Registou-se uma discrepância entre a avaliação das pessoas que apareciam nas fotos e das que não apareciam.

Os autores do estudo chegam a aconselhar-nos a pedir a outra pessoa que escolha a nossa fotografia de perfil. “Este fenómeno tem um significado prático claro”, pode ler-se no estudo. “Se as pessoas desejam apresentar a sua melhor imagem, deviam pedir a outra pessoa para escolhê-la”.