Depois de uma vitória histórica no Festival Eurovisão da Canção, Salvador Sobral falou no final da noite à imprensa. Fãs e jornalistas de todo o mundo juntaram-se para parabenizar o representante português e para se despedirem da capital ucraniana, que foi o epicentro do certame.

Depois do momento inicial de congratulações, as anfitriãs perguntaram ao cantor de que forma o triunfo afetará o seu futuro. Salvador respondeu com humildade: “Não será diferente de nenhuma forma. Acho que nada vai mudar.” “Terei uma digressão durante o Verão, em Portugal, e vou continuar com a minha vida”, referiu. “Estou a trabalhar num segundo disco e é nisso que estou a pensar agora.

Com a sua vitória, Salvador conseguiu o primeiro sucesso português no certame europeu. Questionado sobre se se considerava um herói nacional, a voz de Excuse Me brincou: “Acho que o herói real é o Ronaldo e fico contente por ele ter esse papel.”É estupendo”, agradeceu. “Mas honestamente só quero viver uma vida pacífica.

Uma jornalista italiana admitiu o favoritismo do representante toscano Francesco Gabbani mas deu os parabéns a Salvador, e considerou merecida a vitória. Perguntou-lhe se se sentiu tentado a cantar em inglês, como estratégia para conseguir mais votos.

As pessoas dizem que cantar em inglês pode ajudar nos resultados”, introduziu. “Mas nunca quis saber dos votos, por isso nunca cantaria a música em inglês. Só quis cantar uma bonita canção tal como ela é: em português”, respondeu.

Lê também: Portugal vence Eurovisão com a pontuação mais alta de sempre
Salvador Sobral
Salvador foi o preferido na votação dos júris nacionais e do público. Foto: Andres Putting

No seu discurso de vitória, Salvador celebrou a conquista da “música com conteúdo” sobre as canções “descartáveis” e referiu que a arte é mais que fogo de artifício. Muito diferente do conjunto de músicas formuladas com ingredientes típicos da Eurovisão, Amar Pelos Dois destacou-se pela sua diferença.

Nunca escrevi uma música para ser passada na rádio, afirmou. “O meu disco saiu em 2016 e ninguém quis saber.” “Depois deste festival, e desta música, as pessoas puderam conhecer-me e compraram o álbum”, acrescentou. “E estou agradecido por isso.

UER proibiu sweatshirt usada por Salvador

Em vários momentos durante a semana, Salvador Sobral foi visto com uma sweatshirt vestida onde se lia “S.O.S. Refugiados”. A União Europeia de Radiodifusão (UER) proibiu o cantor de a usar durante a Grande Final do certame, por ser contrária às regras do concurso que interditam qualquer mensagem de natureza política ou publicitária.

Passei a mensagem sobre os refugiados porque acredito que é o maior problema que a Europa enfrenta agora”, explicou. “Não era uma mensagem política, era apenas humanitária. Disse tudo aquilo que queria dizer e acho que não devo carregar no mesmo botão”, concluiu.

Depois da vitória atípica de Jamala, em 2016, Salvador faz par com a voz de 1944 e juntos parecem representar um novo rumo para o certame europeu. “Espero que possa trazer uma mudança”, mencionou. Não apenas para este concurso, mas para a música pop no geral. Essa seria a minha maior alegria.

Salvador considerou que, este ano, o concurso fez justiça ao seu lema: celebrar a diversidade. “Uma canção como esta ganhar é uma celebração da diversidade”, disse. “Tudo o que quero fazer é cantar e acho que as pessoas viram e sentiram isso. Espero que, nas próximas edições, as pessoas possam trazer coisas diferentes e todos os géneros de músicas.

Luísa Sobral
Luísa Sobral indicou a simplicidade da música e a interpretação do irmão como elementos chave na vitória. Foto: Andres Putting
Lê mais: RTP1 com máximo anual em dia de Eurovisão

A conferência terminou com a bênção de Jon Ola Sand. O supervisor executivo da organização confessou ter ficado muito comovido com a atuação. “Foi um momento que agarrou a Europa, e que capturou tanto os júris profissionais como o público.

O representante da UER passou o testemunho à RTP e referiu: “daqui para a frente o meu foco será inteiramente a preparação do Festival Eurovisão da Canção de 2018.” “Vamos alocar todos os recursos possíveis numa equipa que vos vai ajudar e acompanhar em todo o percurso e durante o próximo ano”, acrescentou. Sand partilhou um sentimento de orgulho pela edição deste ano e desejou boa sorte a Portugal.