Encontro Silencioso
Encontro Silencioso

Encontro Silencioso: a praxe em destaque no IndieLisboa

Encontro Silencioso é a primeira longa-metragem do realizador Miguel Clara Vasconcelos e conta a história de cinco estudantes que, motivados pela praxe académica, envergam num ritual místico. Com um argumento escrito pelo próprio realizador e música a cargo de Legendary Tigerman, esta película integra o concurso nacional do IndieLisboa.

A praxe académica lisboeta serve de fundo para o desnivelado plano sequência que abre o filme. Somos subtilmente direccionados para a escadaria do Instituto Superior Técnico, onde encontramos pela primeira vez os nossos protagonistas. Boris, interpretado por Alexander David, é o Dux que comanda todas as actividades e que, acompanhado por Ágata Pinho, simboliza o poder orientador dos seus inferiores hierárquicos. Das três “vítimas” com que o realizador nos presenteia, o destaque é, claramente, Rafaela.

O plano de fundo, “praxístico”, que alimenta este guião é, obviamente, polémico. Existe desde logo a tentativa de confrontar o espectador com o ridículo aparente destas actividades, tentativa essa que produziu até alguns risos da plateia – acreditem, não foram os últimos. O objectivo será pensar o rito enquanto processo performativo. Num clima que pode ser crítico, satírico e de desaprovação, ou de simples ingenuidade, o Dux Boris é inicialmente apenas irritante, numa exacerbada caricatura de um líder malévolo que, juntamente com a sua assistente ruiva (cor associada aos adoradores do Diabo – coincidência?), solta uns quantos sorrisos infantis e um par de olhares de desaprovação sobre os demais. Esta personagem é tão fantasticamente impossível, que mais parece saído de um livro de banda desenhada.

A viagem é instantânea e rapidamente abandonamos a cidade para pôr em destaque a natureza, lenta e com poucos diálogos.

Avançamos para a primeira actividade, que dispensa gritos ou exaltações, mas que procura alcançar uma perturbação psíquica. A sujidade da lama e o cenário pantanoso em que três jovens se esbarram deveria ser suficiente para comover a vontade do público de marchar sobre as ruas contra tais eventos, não fosse o registo frio e quase anti-emocional que nos atinge. Tenho que admitir: aqui há ponderação, falta saber para que propósito.

Nas cenas que se seguem é-nos possível identificar um crescente número de simbolismos e significações. Aqui iremos dar os primeiro passos no fluxo alucinatório que encontra nas lendas medievais portuguesas o seu aliado. Ao mesmo tempo, escutamos diálogos sobre a natureza e o desejo do Homem de se afastar dela – claro que depois deste momento a natureza em forma de ramos, arbustos, arvoredos e até ovelhas, parece importunar os nossos intervenientes  sempre que possível.

Por entre as linhas vislumbra-se uma implicação da cultura, da religião e da história; tenta-se passar por igual conceitos que são bastante distintos. Ao culminarmos no interregno da narrativa, o filme desemboca numa forma de (hiper)teatralidade. A dança medieval é prova disso mesmo. Rafaela ganha destaque e ajuda a plateia a perceber esta estranha ligação. Na verdade, tal como no reino fictício que esta imagina, também a praxe está sob ataque e necessita de se refugiar na floresta longe do inimigo urbano. No entanto, o inimigo não é exterior, mas viveu consigo desde sempre e é de si que surge a descrença no ritual.

Quando voltamos ao plano principal ouvem-se novamente gargalhadas, não fosse desta vez, numa ainda mais extremada representação, Boris a urinar sobre os seus inferiores, logo após ter bebido um prato de leite – estamos perigosamente próximos de algo entre um líder satânico e um vampiro tolerante à lactose (que até cartas dá em referências a Platão).

Enquanto nos encaminhamos para o fim, ainda há tempo de providenciar o público com umas imagens da vida boémia – diga-se que a banda sonora nestes momentos é resplandecente, mesmo que nada mais esteja à sua altura. Vasconcelos afirmou recentemente a sua crença na inexistência de paralelismo dos acontecimentos do seu filme com quaisquer outros decorridos nos últimos anos na praxe. Pois bem, poderemos chamar-lhe inspiração, mas é o final que levanta todas as dúvidas. Neste campo se o objectivo seria deixar a crítica de fora e atrair o foco para as recorrentes formas de ritual, será justo afirmar que há mais que um efeito amalgamo.

No final, o esforço cinematográfico, que resulta em diversos momentos, é totalmente assaltado pelo esforço do guião em minar o caminho a qualquer outro significado que não o seu. A verdade é que por entre este silêncio acabamos por não ouvir nada – ou talvez seja apenas um defeito de audição.

3/10

Ficha Técnica

Título: Encontro Silencioso 

Realizador: Miguel Clara Vasconcelos

Argumento: Miguel Clara Vasconcelos

Com: Ágata Pinho, Alexander David

Género: Drama

Duração: 83 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
robbie williams
Vida de Robbie Williams chega ao cinema em ‘Better Man’