Foi mais ou menos há coisa de três anos que vimos pela primeira vez Peter Quill – ou como gosta de ser chamado, Star Lord -, a mostrar os seus passos de dança intergalácticos ao som de Hooked on a Feeling dos Blue Swede, no primeiro filme de Guardiões da Galáxia. Este ano, com uma nova aventura, o segundo volume da saga promete uma banda sonora ainda mais eclética, que tira o pó a alguns clássicos esquecidos da música pop.

Este filme da Marvel marcou a diferença no mercado de filmes de super-heróis, mudando o cenário para ambientes espaciais exóticos, aplicando um humor negro e irónico e adotando personagens pouco conhecidas do universo de personagens pilares da cultura popular a que estamos habituados.

Não obstante toda a extravagância visual, surgiu também a necessidade de apelar a outros sentidos, neste caso o auditivo.

Uma mixtape de clássicos a explorar…

O realizador James Gunn encarregou-se de escolher as melhores músicas pop feitas até ao ano de 1988, ano em que Peter Quill é raptado pelos Ravagers e abandona o planeta Terra, para acompanhar as aventuras dos carismáticos personagens.

Nesta nova aventura podemos encontrar variados artistas, tais como David Bowie, The Runaways, Jackson 5 ou até Norman Greenbaum. O sucesso desta eclética coletânea tornou-se visível quando esta se tornou a segunda soundtrack mais vendida dos Estados Unidos no ano de 2014, apenas atrás da banda sonora original da animação Frozen.

Quando no final da primeira aventura dos Guardiões da GaláxiaPeter descobre que a sua mãe lhe tinha preparado uma mixtape nova, de certo que não terá sido o único curioso para saber que músicas iríamos poder ouvir no novo capítulo do filme.

Com o filme prestes a estrear mundialmente já esta quinta-feira, analisamos a nova banda sonora para revelar as novidades e explorar pormenores e factos que podem ter escapado aos mais desatentos.

Electric Light Orchestra – Mr Blue Sky

Os ELO são uma banda inglesa liderada por Jeff Lynne, que misturava o pop inspirado pelos Beatles com temas futurísticos e de ficção científica.

Adquirir os direitos para este tema de pop progressivo não foi tarefa fácil. Durante o primeiro filme, era suposto ter aparecido uma música da banda, no entanto não foi possível contratualizar a sua utilização em tempo útil.

A canção usada faz parte da cena de abertura e foi uma escolha pessoal do realizador devido ao “tom alegre com uma temática sinistra subjacente”. James Gunn admite que escolheu esta faixa porque sentia que ela acompanharia bem a cena “mais exagerada que fez na vida”.

Sweet – Fox on the Run

Os Sweet são uma banda inglesa de glam rock formada em 1968.

Apesar de ter acabado em 1981, os membros têm vivido à custa de reuniões lideradas por Steve Priest, que reformou a banda em 2008 e tem andado em digressões um pouco por todo o mundo.

Contudo, a banda parece ganhar um novo fôlego, uma vez que esta música sobre andar atrás de raparigas em 1974, depois de ter aparecido no trailer, tornou-se a música com mais downloads do iTunes.

É a única música da soundtrack que não aparece no filme.

Aliotta Haynes Jeremiah – Lake Shore Drive

Numa entrevista, James Gunn, provavelmente referindo-se a esta banda de Chicago, anunciou que apesar da nova soundtrack conter músicas bastante famosas, ia conter outras que ninguém conhecia.

A controversa música, por conter a sigla “L.S.D.”, tem um duplo sentido. Uma interpretação mais literal, leva a que a letra fale sobre o sentimento que é conduzir na autoestrada de Lake Shore Drive e de viver em Chicago. No sentido mais conotado da linguagem, há quem defenda que esta música fala sobre a influência do acido lisérgico no ser humano.

Fleetwood Mac – The Chain

The Chain aparece no álbum mais famoso e mais vendido da banda Rumours, e incorpora influências de country, hard rock e até um pouco de psicadelismo. Esta é a única música do álbum com créditos de escrita para todos os músicos da banda.

Sam Cooke – Bring it on Home to me

Sam Cooke, ou como muitos lhe chamam, o “Rei do Soul”, foi um dos mais importantes músicos negros da história. Contribuiu para a popularização do soul e de artistas como Aretha Franklin, Al Green, Curtis Mayfield, Otis Reading ou James Brown.

“Bring it on Home to me” é uma das músicas mais influentes de sempre, fazendo, inclusive, parte da lista das “500 músicas que moldaram o Rock and Roll” do Rock and Roll Hall of Fame.

https://www.youtube.com/watch?v=6azbeWRkhoE

Glen Campbell – Southern Nights

Um antigo ídolo da música country, Glen Campbell, para além de contar com vários Grammys, também emprestou a sua voz para a música True Grit (que partilha o nome com o filme de John Wayne, lançado em 1969) que acabou por ganhar o Oscar de Melhor Música Original.

Apesar do ambiente espacial e futurista do filme, esta simples música fala sobre a infância de Glen quando vivia na sua quinta no Arkansas.

George Harrison – My Sweet Lord

Outro músico que dispensa apresentações. A música mais conhecida da carreira a solo deste ex-Beatle conta com participação de Eric Clapton, Ringo Starr (também antigo Beatle) e Billy Preston.

Esta é uma ode ao deus hindu Krishna, e contém um louvor hindu, “Hare Krishna”.

Looking Glass – Brandy (You’re a Fine Girl)

Esta banda de Nova Jérsia pode gabar-se de ver esta música incluída em filmes como Lords of DogtownCharlie’s Angels, Say Anything…; assim como nas séries The Wire e até nos Simpsons. Mas talvez o facto mais incrível que alcançaram foi terem aumentado a popularidade do nome Brandy do 353.º nome mais usado para mulheres americanas para 82.º.

Jay and the Americans – Come a Little Bit Closer

Sem qualquer semelhança ou familiaridade com a música Come a Little Closer dos Cage the Elephant, este grupo formado em 1960 pode gabar-se de já ter aberto um concerto para os Beatles.

Apesar de terem caído um pouco no esquecimento desde o seu fim em 1973, voltaram a juntar-se em 2006 e atualmente ainda andam pela estrada fora a dar concertos.

Silver – Wham Bam Shang-A-Lang

Outra banda pouco conhecida desta soundtrack, os Silver, alcançaram pouco sucesso com o seu soft rock, sendo esta a única música que lhes deu alguma popularidade.

Esta divertida música foi considerada na altura pela estação WLS de Chicago como a 80.ª melhor música de 1976, se isso serve de algum consolo.

Cheap Trick – Surrender

Uma das mais conhecidas bandas do hard rock, incluídos no Rock and Roll Hall of Fame em 2016, os Cheap Trick entram na banda sonora dos Guardiões da Galáxia com o tema Surrender.

Esta é uma comparação entre as diferentes gerações, confrontando os comportamentos dos seus pais hippies com uma geração virada para o hard rock.

Nas suas atuações ao vivo, quando o Rick Nielsen canta “When I woke up, Mom and Dad are rolling on the couch // Rolling numbers, rock and rolling, got my Kiss records out”, normalmente atira discos dos KISS para a audiência.

https://www.youtube.com/watch?v=NFjOpqtKRq4

Cat Stevens – Father and Son

Naquele que será provavelmente um momento emotivo entre Peter Quill e o seu pai, Ego (interpretado por Kurt Russel), esta icónica música de Cat Stevens (agora conhecido por Yusuf Islam) narra um diálogo entre um pai e um filho, onde o primeiro não compreende a vontade do filho de começar uma vida nova e de seguir em frente.

Parliament – Flash Light

Uma excelente oportunidade para o Star Lord mostrar os seus novos passos de dança desde o último filme.

Parliament são uma banda de funk formada em 1968 liderada pelo incomparável George Clinton, que liderava paralelamente a banda Funkadelic.

A música Flash Light pode ser encontrada no álbum Funkentelechy Vs. the Placebo Syndrome e foi incluída pela revista Rolling Stone na lista das 500 Melhores Músicas de Sempre, ocupando o lugar número 202.

The Sneepers feat. David Hasselhoff – Guardians Inferno

A única música original da soundtrack que conta com um herói de infância de Chris Pratt e de James Gunn: David Hasselhoff, protagonista de séries de culto como Baywatch ou Knight Rider.

Esta foi uma tentativa de emular a banda Meco na sua famosa reinterpretação das músicas do Star Wars em versão disco.