Cravo, 25 de abril, República
Photo credit: vida de vidro via Visualhunt.com / CC BY-NC-ND

25 de abril: artistas que só podemos mesmo ouvir em liberdade

25 de abril de 1974 – a data está na ponta da língua de quase todos e, para nós, que já nascemos com este direito tão precioso, por vezes torna-se difícil conceber um país onde não poderíamos ouvir aquilo que nos apetecesse, de forma livre, sem ser às escondidas.
Foi justamente este o exercício da secção de Música este ano: se não vivêssemos em liberdade, a que nomes é que teríamos o acesso vedado? Que artistas é que, devido aos temas, sonoridades ou carga política, só podemos vivenciar porque vivemos num país livre? Ora espreita. 

Buraka Som Sistema

Toda a trupe da Enchufada caberia claramente neste texto. A verdade nua e crua é que, sem o 25 de abril de 1974, a mistura de géneros, os temas que tanto são de Angola como da Damaia, as danças sensualonas de Blaya, não seriam possíveis. Se o 25 de abril se fez para algo de jeito, foi definitivamente para isto. – ACS

https://www.youtube.com/watch?v=xoIBJl-UxD0

Anohni

“Mas o Antony agora é uma mulher?” Ainda há quem pergunte, em 2017, se aquilo que nos nasce entre as pernas define a nossa forma de estar na vida. Anohni é artista de sete costados com um som e uma performance indizíveis e sem liberdade não a poderíamos ter visto num concerto assombroso no Coliseu. – ACS

https://www.youtube.com/watch?v=CQ0BxhMfijg

Capicua

Uma mulher a fazer arte já seria desconfortável o suficiente para o antigo regime. Ainda por cima uma mulher feminista, defensora dos direitos dos trabalhadores, ecologista e destemida? Ana Matos reivindica para si e para uma nova geração de poetas-músicos o exercício pleno da liberdade pelo direito ao protesto. – ACS

https://www.youtube.com/watch?v=p0rvPVDnZD4

M.I.A

As Bad Girls não eram muito bem vistas durante a ditadura portuguesa e M.I.A não encontraria muita simpatia durante esses tempos. Controversa e sem papas na língua, a rapper cresceu no Sri Lanka, num ambiente de guerra e violência, sendo que as suas músicas expressam algumas das experiências e realidades que conhece sem qualquer tipo de filtro.
A sua frontalidade iria deixar o lápis azul bem atarefado – se cá conseguisse chegar, claro. Se nos Estados Unidos, o videoclipe da música Born Free foi censurado pelo seu carácter gráfico e sexual, nem se pensaria em algo tão explícito se a ditadura ainda prevalecesse. – AR

https://www.youtube.com/watch?v=IeMvUlxXyz8

Unknown Mortal Orchestra

Graças à Revolução dos Cravos, hoje é possível cantar o amor nas suas várias expressões e, em Multi-Love, mais uma é trazida a público. Os sons mais hipnóticos e psicadélicos do terceiro álbum da banda americana e neozelandesa trazem consigo o retrato da relação poliamorosa que o vocalista Ruben Nielsen e a esposa mantiveram durante algum tempo com outra mulher.
Nielsen admite que as canções vêm numa tentativa de normalização deste tipo de relações ainda algo tabu nos dias de hoje, estando o álbum repleto de referências discretas à união mantida entre os três e também algumas não tão discretas (Multi-Love has got me on my knee/ We were one, then become three, canta na faixa principal). Imagine-se o escândalo que não teria sido há meio século. – AR

https://www.youtube.com/watch?v=bEtDVy55shI

Hinds

O quarteto espanhol constituído por Carlotta, Ana, Amber e Ade é um nome consolidado nas playlists de lo-fi e garage rock. Concertos marcados por cabelos longos, guitarras arranhadas, versos que nos apresentam raparigas sem rodeios, gritos e crowdsurfing. Puro rock no feminino com um estilo effortlessly cool à mistura e estão reunidos os ingredientes para a afirmação do girl power. Se agora se deparam com crítica sexista, nem queremos imaginar como seria antes de abril de 1974. – BP

https://www.youtube.com/watch?v=ka6EuerEKbg

B Fachada

Um álbum de faixa única intitulado Deus, Pátria e Família poderia deixar-nos a pensar sobre a posição política de Bernardo Cruz. Basta ouvi-lo para ficarmos esclarecidos e a verdade é que este não é o único tema em que aborda questões sociopolíticas. Obrigada, Capitães, pela Revolução e por nos permitirem ouvir cantar “em fachadês”. – BP

https://www.youtube.com/watch?v=Mo0MPDPb6gU

Zeca Afonso

E quem se esqueceria de Zeca? De todos os artistas nacionais, José Afonso dos Santos é a mais completa personificação da frase “stick it to the Man”. Ainda hoje, as suas canções intervencionistas são de conhecimento geral para a população, sendo Grândola Vila Morena quase um segundo hino nacional, se tal fosse necessário. Apesar da diferença sociopolítica da sua época e daquela em que vivemos, as temáticas cantadas pelo aveirense são bastante atuais, já que realmente “eles comem tudo e não deixam nada”. – FS

https://www.youtube.com/watch?v=gaLWqy4e7ls

Bezegol

Outro artista nacional que aproveita bem a liberdade de expressão presente no nosso Portugal, é sem dúvida Bezegol. Para quem conhece o trabalho do artista “com voz de cana rachada” , sabe que as suas letras estão cheias de denúncias e indignações de um país corrupto, onde reina a desigualdade. Com um estilo hip-hop/reggae, o compositor portuense está bem colocado na lista dos que mais se opõem ao seu governo através da música. – FS

https://www.youtube.com/watch?v=i9ifxfz2MEU

José Mário Branco

Desde que aderiu ao Partido Comunista Português, José Mário Branco inscreveu o seu nome na lista negra da polícia política. As perseguições de que foi alvo por parte da PIDE levaram-no a procurar exílio em Paris, à semelhança de muitos outros artistas portugueses incompatibilizados com o regime autocrático de António de Oliveira Salazar. Foi durante os anos de exílio político, e gozando de uma liberdade criativa que lhe estava vedada em Portugal, que iniciou a sua carreira musical – entre 1963 e 1974, editou dois álbuns, um EP e um single, e em todos eles deixou clara a sua insatisfação contra o Estado Novo. O 25 de abril ditou o seu regresso a Portugal, e marcou o início de uma profícua fase de colaborações com outros músicos nacionais.
Todavia, só em 1982, por virtude do lançamento do álbum FMI, é que José Mário Branco atinge o estatuto de personalidade mais interventiva do panorama musical português. FMI é um álbum que, sob todos os prismas, jamais teria passado incólume pelos filtros da censura ditatorial. Manifesto, poema, canção, clamor panfletário, pranto sarcástico, FMI – editado entre os dois primeiros resgates financeiros do Fundo Monetário Internacional a Portugal – é um grito de liberdade e descontentamento capaz de, ainda hoje, impelir os atávicos censores do Estado a darem voltas nos seus próprios túmulos. – AC

https://www.youtube.com/watch?v=_Adp77ivpT8

Escolhas de Alexandra Correia Silva, Ana Rosário, Bárbara Pereira, Francisco Serra e António Costa. 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Rodrigo Guedes de Carvalho SIC jornal da noite audiências
Audiências. ‘Jornal da Noite’ finta Euro 2020 na TVI e lidera