Netflix tem-nos habituado a séries de grande qualidade, como Narcos ou Stranger Things. A juntar-se ao leque temos agora 13 Reasons Why. O mais recente sucesso do serviço de streaming conta, através de cassetes e flashbacks, a trágica história de Hannah Baker (Katherine Langford). Uma adolescente da Liberty High School que nos explica as razões pelas quais decidiu matar-se.

O enredo começa poucas semanas depois do suicídio de Hannah. Clay (Dylan Minnette), seu colega de escola, recebe um misterioso conjunto de cassetes, numeradas de 1 a 13. Ao reproduzir a primeira, ouvimos a voz de Hannah com uma mensagem fria:

Espero que estejam prontos, porque vou contar-vos a história da minha vida. Mais especificamente, o porquê de ter acabado. E, se estás a ouvir isto, és uma das razões.

Cada episódio de 13 Reasons Why é um lado de uma cassete, dedicado a uma das pessoas responsáveis pelo fim de Hannah. Depois de ouvidas, as cassetes têm de ser passadas ao próximo, caso contrário correm o risco de serem expostas. 

O ambiente da série faz lembrar um daqueles filmes clássicos americanos, onde se retratam as escolas secundárias: temos os “populares”, os atletas e os nerds. Mas, desta vez, temos uma representação atual e moderna deste ambiente, com menos lugares comuns, referências à pop culture recente e smartphones.

13 Reasons Why athletes

Uma história trágica

Voltando ao enredo de 13 Reasons Why, acompanhamos Clay na sua jornada, à medida que ouve as cassetes e, aos poucos, descobre a verdade sobre os seus colegas e o que realmente aconteceu.

Clay é uma daquelas personagens com quem simpatizamos naturalmente: desajeitado, inteligente e engraçado, faz-nos torcer por ele, mas ao mesmo tempo questionar o porquê de ter recebido as cassetes e fazer parte da história e das razões.

Clay é a 12ª pessoa a receber as cassetes, e a mais sensível, o que faz com que as outras envolvidas temam o que ele possa fazer. Assim, juntam-se para o tentar parar e evitar que a verdade venha ao de cima.

É de referir que o elenco apresenta uma interpretação bastante sólida das personagens e que o argumento está bem construído, com figuras distintas e credíveis, cujos traços de personalidade nos farão adorá-las ou odiá-las.
13 Reasons Why - Clay and Hannah

A representação de problemas reais

13 Reasons Why é, no fundo, uma chamada de atenção a todos os adolescentes que, de uma maneira ou outra, se conseguem identificar com alguma das personagens; é um aviso para as consequências dos seus atos.

Cada episódio prova que a situação de Hannah se agrava. Chegamos a um ponto em que conseguimos sentir apenas tristeza, dado o facto de empatizarmos tanto com esta personagem e conhecermos, a priori, o seu fim.

Os problemas representados em 13 Reasons Why são muito sérios e reais, sendo estes o suicídio, a depressão, o bullying, e o abuso sexual e emocional. De facto, os temas abordados na série são tão difíceis que, durante as filmagens, chegou a haver terapia assistida por animais, com cães, para animar os atores.

No Brasil, o Centro de Valorização da Vida registou, desde o lançamento da série, um aumento de cerca de 100% nas chamadas e pedidos de ajuda contra o suicídio.

O sucesso nas redes sociais

A série é baseada no livro de sucesso com o mesmo nome, escrito por Jay Asher e publicado em 2007. Agora, 13 Reasons Why revela-se um sucesso nas redes sociais, levando à criação de hashtags como #ReasonsWhyYouMatter e à partilha das histórias de milhares de cibernautas que passaram por experiências semelhantes, o que demonstra a relevância da série e dos assuntos que retrata.

13 Reasons Why tornou-se, assim, uma voz para todos aqueles que nunca a tiveram, obrigando a que tópicos como a depressão dos jovens entrassem, de forma rápida, na agenda diária. Se quiseres espreitar um bocadinho, fica aqui o trailer de 13 Reasons Why. Caso ainda não tenhas percebido: recomendamos vivamente a série.