As temperaturas descem abaixo de 0 graus para o desfile de Hugo Costa. A neve fica agarrada às sobrancelhas dos modelos e as suas faces enrubescidas do frio. Ouve-se o som da trovoada e os modelos começam a desfilar, de cabelo molhado, na passerelle.

AMUNDSEN é o nome da coleção com as propostas para a estação fria (ou, neste caso, gelada) do designer. Apresentada no último dia do Portugal Fashion, esta representa a “necessidade de exploração do desconhecido por parte do ser humano.”

As peças, que já tinham sido exibidas na Paris Fashion Week Menswear, foram inspiradas em Roadl Amundsen, um explorador norueguês das regiões polares, que liderou a primeira expedição a atingir o Polo Sul em 1911. Assim, surgem looks totais de uma só cor, assemelhando-se aos fatos que os exploradores utilizavam nessa altura.

A paleta cromática é também fria. Branco, cinzento, azul petróleo, verde água e preto são as cores que dominam a coleção do Hugo Costa. Estas encontram-se em sarjas e fazendas com algum brilho, como os cristais de neve.

Silhuetas oversized continuam a ser uma aposta do designer, mantendo-se como identidade da marca Hugo Costa. Vêem-se em impermeáveis, sobretudos, fatos e macacões; clássicos que aparecem desconstruídos. Os bolsos gigantes e tiras que convergem em nós com longas pontas soltas traduzem-se numa linha de street wear, que está muito presente na coleção.

Em algumas camisolas surge uma mão estampada, como se alguém tivesse posto uma palma da mão molhada no peito do modelo. Numa entrevista à delas.pt, o designer explicou que este elemento gráfico foi criado para uma coleção anterior, chamada individual, e que sentiu que deveria integrar a marca. “Não o usamos como um logótipo mas será uma característica da marca.” É, no fundo, uma transmissão do indivíduo nas peças.

Fotografia: Nicole Gonçalves