Certos de que é no Bloom que os jovens criadores têm a possibilidade de se lançarem no mundo da moda, procurámos que ADN desfilou nesta edição do Portugal Fashion. A plataforma, que agora está nas mãos de Paulo Cravo, depois da saída de Miguel Flor, contou com 11 desfiles na cidade Invicta.

Criadores como Carla Pontes, Daniela Barros, Estelita Mendonça, Hugo Costa, Mafalda Fonseca ou Susana Bettencourt já passaram pelos holofotes do Bloom, que por oposição ao Sangue Novo – promovido pela ModaLisboa -, promove uma procura mais plástica e conceptual dos trabalhos de moda. Essa mesma procura, por curioso que possa ser, verificou-se menos acentuada com a passagem da pasta deste espaço, para as mãos de Cravo.

O experimentalismo a que nos haveria habituado Miguel Flor, revelou-se substituído pela procura de um conjunto de colecções mais comerciais, mais adultas – dentro do target do Bloom – e que reflectissem a dualidade entre conceito e vendas. À parte da moda, o Bloom também é um espaço onde comungam concertos, DJ sets e outras formas de intervenção artística, como performances.

Nesta edição, destacamos as colecções de Eduardo Amorim, que começa a trilhar passos para a passerelle principal; Olímpia David, cuja coerência foi notória do princípio ao fim e onde a roupa deixou falar por si mesma; Beatriz Bettencourt, com uma coleção pronta a vender e os ex-concorrentes do Sangue Novo, Nycole e David Catalán, revelando uma maturidade e nível de apresentação, que lhes possibilitará uma passagem – esperamos que breve – para a passarelle principal do certame.

O Bloom acontece desde Outubro de 2010, tendo estado até à edição passada do Portugal Fashion, sob a coordenação de Miguel Flor – designer de moda e vencedor da edição de 1996 do Sangue Novo, na ModaLisboa. Actualmente conta com a coordenação de Paulo Cravo e continuará a contar com a missão de apoiar, promover e internacionalizar o trabalho dos jovens criadores, quer seja em desfiles ou através de showroom, em feiras de moda.

Fotografias por: João Correia de Sá