O terceiro e último dia da 48.ª edição da ModaLisboa terminou com o desfile do veterano Nuno Gama. O designer presenteou o público com o habitual teatro das passerelles numa desconstrução histórica e artística dos Painéis de São Vicente de Fora, expostos no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Não é novidade a paixão de Nuno Gama pela História de Portugal, onde já fez coleções inspiradas nos Descobrimentos ou até mesmo em Fernando Pessoa. Os seus desfiles são usualmente a apoteose de um passado português de que o designer se orgulha e que leva o público ao espanto.

Desta feita, Nuno Gama pegou no lado oculto dos Painéis de São Vicente de Fora e voltou a fazer das suas. “Deus instituiu então o Anjo de Portugal, protetor da nossa essência espiritual, com a missão de levar as nove relíquias a São Vicente. Com elas se completaria o nosso estado de alma criado a partir desta intervenção divina, com destino a grandes feitos”, podia ler-se na nota de imprensa desta coleção intitulada de Profecia.

É na passerelle que desfila uma nova imagem do gentleman, mas mais casual com lenços, golas e pelos no contraste da figura clássica. Uma paleta de cores que em quase todos os coordenados tinham uma base branca e depois envolta em preto, camel, bordeaux, azul escuro – autênticas cores que chamam o inverno. Em algumas peças, Nuno Gama não deixou o patriotismo esquecido e estampou as quinas da bandeira de Portugal.

 

Fotografia: Associação ModaLisboa