Foi na passada sexta-feira, dia 24 de fevereiro, que saiu o último romance de Haruki Murakami no Japão. Kishidancho Goroshi, ou Killing Commendatore é o último trabalho do autor, após o lançamento de Colorless Tsukuru Tazaki and His Years of Pilgrimage em 2013, e o livro de contos Men without Women, publicado em 2014.

Haruki Murakami é um dos autores contemporâneos mais aclamados, tendo sido repetidamente apontado para o Nobel da Literatura nos últimos anos, sem o ter ganho ainda. Depois de obras icónicas tais como Norwegian Wood, 1Q84 ou Kafka À Beira-Mar, Killing Comendatore é o seu mais recente trabalho e será uma obra dividida em dois volumes de cerca de 500 páginas. Desde o lançamento de 1Q84, em 2010, o autor nipónico não lançava um romance com mais de um volume.

Os “Harukists” invadem as livrarias de Tóquio para agarrarem a sua cópia
Imagem: Chicago Tribune

“Uma história muito estranha”

A editora Shinchosha Publishing Co. não revelou nada sobre o livro para além do seu título, que só se tornou público em janeiro deste ano. O próprio autor não adiantou muito sobre o conteúdo para além de ser, segundo o próprio, “uma história muito estranha”. Um representante da editora afirmou que o secretismo, que só foi exceção para algumas pessoas, se tratou de uma decisão de Murakami, que queria que os leitores experienciassem o livro sem saberem nada de antemão sobre o mesmo.

Dois dias após o seu lançamento no Japão, já se sabe que o livro conta a história de um pintor de retratos de 36 anos que, após o divórcio, muda-se de Tóquio para uma casa antiga nos arredores de Odawara. A partir daqui, o protagonista vê-se envolvido numa série de eventos misteriosos que incluem a descoberta de uma pintura no sótão que partilha o nome do título do livro e o encontro com um homem de nome estranho e um passado por revelar.

As obras anteriores de Murakami estão disponíveis em mais de 40 línguas, mas, por enquanto, a editora Shinchosha Publishing Co. ainda não adiantou detalhes em relação à tradução e lançamento do livro noutros países.

Murakami em Portugal

Espera-se que o autor compareça na terceira edição do Festival Internacional de Cultura (FIC), que terá lugar em setembro, em Cascais. O FIC, que se trata de uma parceria ente a Câmara Municipal e a Leya, afirma que a presença de Murakami está ainda por confirmar, tal como a de Paul Auster e Jonathan Franzen, outros dois grandes nomes do atual panorama literário.