Após a morte de Max (Ryan O’Neal) na semana passada, está na hora dos protagonistas de Bones lidarem com o luto… mesmo a tempo de assistirem ao regresso fenomenal de uma muito, muito, muito antiga personagem. O novo episódio, intitulado The Grief and the Girl, estreou no canal FOX no dia 21 de fevereiro.

Ao preparar o funeral do seu pai, Brennan (Emily Deschanel) dá de caras com Sully (Eddie McClintock). Para quem não se recorda, Sully foi o namorado de Brennan durante a segunda temporada da série e o único homem que conquistou o coração da cientista para além de Booth (David Boreanaz).

A dupla acabou por se separar quando Sully decidiu viajar pelo mundo e Brennan quis ficar a trabalhar no Jeffersonian. Atualmente, ele é dono de uma loja de sandes e voltou ao Instituto para prestar as suas condolências à ex-amada. A prova viva de que duas pessoas podem ser amigas após terminarem uma relação.

Enquanto isso, a vítima desta semana é Sarah, de 22 anos, cujo cadáver foi encontrado no Canadá. Visto que ela era uma cidadã americana, Booth e Aubrey (John Boyd) ficam encarregues de fazer a viagem e investigar o caso.

Pelos vistos, Sarah andava a investigar a sua árvore genealógica, nomeadamente a identidade da sua avó, que havia mudado de nome ao longo dos anos. Sarah foi parar a uma terra que costumava ser governada por vikings, mas estava ao encargo de um homem rico de nome Adam, o qual planeava construir um resort no local.

Adam acaba por ser o culpado de toda a situação, já que a equipa descobre que ele alvejou Sarah sem querer enquanto caçava, decidindo então pagar a uma mulher de nome Kathleen para o ajudar a cobrir a tragédia. Devo dizer que não morri propriamente de amores pelo caso desta semana, mas tal não importa.

Brennan parece estar cada vez mais distante de Booth e chega até a chorar nos braços de Sully, não percebendo o porquê de ignorar o seu próprio marido e procurar conforto no ex-namorado. Sully ajuda-a a compreender que ela simplesmente não quer preocupar Booth e quer concentrar-se nos seus sentimentos por enquanto.

Após tantos anos, eu já nem me lembrava da personagem de Sully e da sua dinâmica com Brennan mas o seu regresso foi simplesmente fabuloso: ajudou na relação dela com Booth e no luto que esta estava a batalhar pelo pai.

É chegado o dia do funeral e todos os protagonistas se reúnem, à medida que Brennan diz que Max morreu com estatuto de herói. “De todas as batalhas que ele lutou, a maior foi assegurar-me que eu poderia voltar a amá-lo e a confiar nele. E ele venceu essa batalha”. Uma despedida digna para uma personagem que nos deu 12 anos de riso e amor, tendo partido demasiado cedo.

NOTA: 7/10