A norte-americana NBC comprou 25% do canal Euronews, que será redesignado como Euronews NBC.

A aquisição do canal informativo pan-europeu representa, para o grupo americano, mais um passo na internacionalização da marca. A NBC tem dado sinais de querer competir com a CNN pelo domínio mundial no campo do jornalismo.

Numa nota interna que foi divulgada pela AFP, Andy Lack, presidente do conselho de administração do NBC News Group anuncia que depois da assinatura do acordo, além de participação no capital da Euronews, o grupo fornecerá recursos editoriais e conselhos estratégicos para “continuar a consolidar o sucesso que a Euronews obteve até aqui“.

Depois desta aquisição, a NBC passará a ser o segundo maior accionista do canal. Naguib Sawiris, magnata de origem egípcia, possui atualmente 53% das ações, estando o restante distribuído por mais de 20 canais públicos europeus, entre os quais a RTP.

‘Novas e reforçadas capacidades de recolha informativa’

De acordo com a Bloomberg, o negócio envolverá valores acima dos 30 milhões de dólares (cerca de 28 milhões de euros). “Ao juntarmos forças com a Euronews e os seus quase 500 jornalistas, a audiência dos nossos canais televisivos, da MSNBC e das nossas plataformas online beneficiará de novas e reforçadas capacidades de recolha de informação“, afirma Andy Lack.

A participação na Euronews, futura Euronews NBC, será gerida a partir de uma nova entidade, a NBC News International, que poderá também ficar responsável por futuras iniciativas fora dos Estados Unidos, avança o jornal francês L’Express.

Lê também: AT&T passa a ser dona da Warner Bros., da CNN e até do Batman

A presidência desta nova empresa vai ficar a cargo de Deborah Turness, encarregue de administrar na NBC todas as questões relacionadas com esta parceria e assegurar a ligação com a Euronews. Este acordo não prevê, de acordo com o mesmo periódico gaulês, qualquer alteração na atual direção da cadeia europeia.

A Euronews, apesar de ter uma elevada cobertura (277 milhões de espectadores) e de ser distribuída na Europa, África e Médio Oriente, tem há vários anos audiências reduzidas e insuficientes resultados comerciais.

Fundado em 1993, o canal iniciou há poucos meses um plano de reafetação de recursos, que passará pelo despedimento de 35 pessoas e mudança dos métodos de trabalho. Atualmente, todas as edições nacionais transmitem os mesmos assuntos, apenas traduzidos para 13 línguas diferentes.

A ligação à NBC servirá ainda para que a empresa europeia reforce competências em matéria tecnológica, mais desenvolvidas pela parceira norte-americana.