Já dizia Vasco Santana na famosa Canção de Lisboa: “Chapéus há muitos, seu palerma!”. E cervejas também, entre as quais a O’phelia.

Cerveja artesanal: além da Super Bock e da Sagres

Apesar de em Portugal o mercado (e o reconhecimento) ser dominado por grandes marcas como a Super Bock ou a Sagres, espalhadas um pouco por todo o país encontramos várias cervejarias artesanais que se têm afirmado cada vez mais entre aqueles que apreciam a bebida. Se por um lado isto se possa dever à cada vez maior facilidade de acesso a estas cervejas, por outro – podemos dizê-lo sem medos – se deve também ao facto de que a cerveja artesanal está na moda.

De entre marcas artesanais que se têm destacado como a Dois Corvos, a Cerveja Letra, a Vadia ou a Musa, a Maldita merece um lugar importante. Por se das primeiras, por já ter ganho alguns prémios internacionais e, mais recentemente, por ter criado a cerveja O’Phelia, em parceria e com o convite da Jameson Irish Whiskey.

Dois tesouros que não precisam de mapa. #Ophelia #Jameson #Maldita #Whiskey #WhiskeyLovers #Beer #BeerLover

A post shared by Jameson Portugal (@jamesonportugal) on

O objectivo da Jameson era a criação de uma bebida capaz de juntar as características e a magia da cerveja e do whiskey que, por serem compostos pelos mesmos ingredientes, são a mesma coisa até se chegar à destilação a que o whisky é submetido para ser produzido.

Desta tentativa resultou uma cerveja que, depois de um processo de estágio de 10 meses nos barris da Jameson na Irlanda, chega até nós com 8% de volume alcoólico, cor avermelhada,  muito robusta e com notas de carvalho e caramelo.

Quem é O’phelia?

Único. #Ophelia #Jameson #Maldita #Whiskey #WhiskeyLovers #Beer #BeerLovers

A post shared by Jameson Portugal (@jamesonportugal) on

Conta a lenda, que serve de ligação entre Portugal e a Irlanda, que há muitos séculos atrás os Lusitanos terão partido pelo mar à conquista da Irlanda. Num dos navios iria um guerreiro lusitano conhecido por ser o maior conhecedor da arte de fazer cerveja.

Em terra este guerreiro deixara a sua filha, Ophelia, que por saber que a espera pelo seu pai e dos outros guerreiros poderia ser demorada, decidiu tentar fazer a melhor cerveja que o mundo já provara. De entre as várias tentativas a perfeição chegou quando a filha do guerreiro decidiu envelhecer a cerveja em barris de Whisky.

No entanto, o tempo foi passando, Ophelia foi perdendo a esperança e acabou por morrer, diz-se que junto aos barris, à espera do seu pai sem que este tivesse chegado a provar a cerveja.

O'Phelia, uma história numa garrafa. #Ophelia #Jameson #Maldita #Whiskey #Beer #WhiskeyLovers #BeerLovers

A post shared by Jameson Portugal (@jamesonportugal) on

Foi numa tentativa de recuperar a receita lendária que a Jameson e a Maldita se apresentaram dia 9 de Fevereiro na barbearia/bar O Purista para o visionamento do terceiro de três vídeos promocionais que têm sido lançados desde o fim de Janeiro e, sobretudo, para que se pudesse fazer a prova de O’phelia.

Para os amantes desta que é uma das bebidas mais antigas do mundo e que estejam interessados em provar a O’phelia, apressem-se. Esta custará  7.5€, pode ser adquirida junto da Maldita e só serão vendidas 3500 unidades.