O MUVI – Festival Internacional de Música no Cinema vai ter, pela primeira vez, uma extensão. A ilha Terceira receberá a continuação do festival de 10 janeiro a 14 de fevereiro.

“Há muito tempo que se pretendia levar o festival a vários sítios do país e proporcionou-se este ano a ilha Terceira. Já no ano passado era para ter acontecido”, confessou à agência Lusa Filipe Pedro, um dos diretores do festival.

Filipe Pedro, Cláudia Correia e Joana Fonseca são os membros fundadores da cooperativa cultural FWD COOP CRL, que criou o MUVI. O festival tem como particularidade exibir filmes biográficos sobre músicos, ou outros filmes com uma forte componente musical. Já conta com três edições, tendo a terceira sido realizada no final do ano passado.

“São seis semanas, com uma curta e longa-metragem associadas que mostram, nas duas primeiras sessões, o melhor do que aconteceu na edição de 2015 e, nas duas seguintes, o melhor de 2016”, informou Filipe Pedro. Na primeira sessão, na próxima terça-feira, serão exibidos os filmes Porque Não Sou o Giacometti do Século XXI, de Tiago Pereira, e Guitarras ao Alto, de Daniel Mota. A 17 de janeiro estão previstos os filmes Future Islands: Road Dawgs, de Jay Buim, e Phil Mendrix, de Paulo Abreu.

A extensão do Muvi é feita em parceria com o Cine-Clube da Ilha Terceira, realizando-se no Recreio dos Artistas, com entrada livre.