Estamos numa época de alegria, de dar e receber prendas e amor familiar. Uma época aguardada por muitos como sendo um dos pontos altos de todo o ano. Porém, nem toda a gente é assim tão recetiva ao espírito natalício.

Esse sentimento menos caloroso para com o Natal é muitas vezes representado em televisão e o Espalha-Factos reuniu aqui as séries que melhor o traduziram ao longo dos anos.

Simpsons S7E11 – Marge Be Not Proud

Simpsons é uma franchise reconhecida pelos comentários ao que faz parte do vox pop, e no décimo primeiro episódio da sétima temporada da longa franchise o tema foi precisamente a época natalícia.

Em Marge Be Not Proud, Bart vê negado o seu pedido de um novo videojogo como prenda de Natal e acaba por roubá-lo. Ao descobrir o que o seu filho tinha feito, Marge torna-se distante deste e acaba mesmo por excluí-lo das atividades familiares natalícias como decorar a árvore de Natal ou construír bonecos de neve.

Apesar de acabar por ser resolvido no final com Bart a oferecer uma fotografia sua à mãe e a reconciliarem-se, este episódio lida com o espaço que é criado entre membros da família quando algum destes ultrapassa os limites, mesmo na festiva época de Natal. Bart chega inclusivamente a ter um sentido momento em que suplica à mãe de Millhouse, seu amigo, para lhe dizer que ele é boa pessoa.

Pushing Daisies S1E9 – Corpsicle

Uma série de culto, Pushing Daisies teve sempre uma tendência para o peculiar e, neste taciturno episódio de Natal, Chuck, o interesse amoroso do protagonista Ned, descobre que este estava ligado à morte do seu pai, ainda que não de forma deliberada, o que afasta o casal.

Durante a investigação da morte de dois agentes de seguros, um dos suspeitos é uma criança de 14 anos em estado terminal que não consegue o seu vital transplante de coração devido ao elevado risco de não sobreviver.

No final descobre-se que o assassino é mesmo a representante de uma fundação que realiza desejos de crianças em estado terminal devido ao rapaz ter expressado que a única coisa que queria era que os dois agentes de seguros que lhe recusaram o transplante, morressem.

A assassina acaba por morrer fruto de um acidente e o seu coração é utilizado para salvar o rapaz, dando um feliz desfecho à macabra situação. Pelo meio, o episódio viu ainda Ned quase a falecer por inalação de monóxido de carbono e uma das suas tias a alucinar sob os efeitos de uma droga colocada por engano numa tarte.  

Louie S3E13 – New Year’s Eve

Louie nunca foi uma série que se coibiu de abordar temas mais difíceis, mesmo sendo tecnicamente uma sitcom e New Year’s Eve não é uma exceção.

O episódio lida com a realidade de um pai divorciado que tenta aproveitar o pouco tempo que tem com as filhas, lendo-lhes uma história antes de dormir e encontrando-se ao seu lado enquanto abrem as prendas na manhã seguinte. Algo que é interrompido pouco depois quando estas são levadas pela mãe e padastro, retirando ao protagonista aquela que era a sua única família no dia de Natal.

Louie decide então que o Natal já acabou e remove prontamente as decorações, acabando por estar só e deitado na cama à tarde, tendo como muitas outras pessoas que passam sem ninguém esse dia, apenas a televisão para lhe fazer companhia.

Depois de sonhar com as suas filhas já adultas a pensarem no quão triste e solitário é o seu pai, um inconformado Louie acaba por decidir ir para o México para a passagem de ano e é no autocarro a caminho do aeroporto que reencontra Liz, o amor da sua vida, e a sua época festiva estaria salva!

Não fosse uma ironia do destino e esta começar a sangrar do nariz, desmaiar e ser levada para o hospital onde acabaria por falecer.

O episódio acaba com o protagonista a viajar para a China e a passar a passagem de ano com uma acolhedora família chinesa, dando à série de infortúnios um final particular em que Louie acaba por encontrar alguma felicidade num local que não conhece e com pessoas cujo idioma não compreende mas que lhe dão algum sentido de normalidade numa época complicada para tantos e com a qual este se debatia

The Vampire Diaries S04E09 – O Come, All Ye Faithful

Ainda antes de haver The Originals, havia The Vampire Diaries. Discussões à parte sobre a série que seguiu o melhor rumo, a verdade é que desde que os Mikaelson entraram na trama as celebrações nunca mais foram as mesmas.

O Come, All Ye Faithful foi o episódio antes da pausa natalícia, mas de típico nada teve. Tivemos sim um “Santa” Klaus que sacrificou 12 híbridos enquanto Hayley distraía Tyler, ao som de uma das músicas de Natal mais conhecidas, Oh Holy Night.

https://youtu.be/P0K5oD-5S2o

Para culminar num desfecho ainda mais sangrento, eis que começa a tocar Have Yourself a Merry Little Christmas, no preciso momento em que Klaus acaba por matar também Carol Lockwood, criando em Tyler um inimigo que ainda daria muito que falar (e escrever).

https://youtu.be/B8BHg8lHT2o

Black Mirror, S02E03, White Christmas

Tal como a série nos habituou, o episódio “natalício” de paz e amor tem pouca coisa. É Jon Hamm quem nos guia por três histórias, contadas no Natal, cada uma perturbadora à sua maneira.

A primeira começa numa festa de empresa (tão na moda por estes dias) e num serviço alternativo que guia os solteiros mais tímidos. O desfecho fica por conta e risco de que vêm mas com certeza faz pensar duas vezes.

A segunda história consegue ser mais asfixiante que a primeira. Greta é uma personagem feita unicamente de código, feita à semelhança de uma pessoa, e a sua função é guiar o dia a dia da “dona” de acordo com os seus gostos. Demasiado complicado para escrever, tal como para ver, e por isso passamos à terceira história.

Como se materializa um bloqueio na vida real? É isso que Joe descobre quando a namorada (grávida) o apaga da sua vida. E como é que todas as histórias se relacionam com o culminar do episódio? É ver.

https://youtu.be/hTcfDX1NvMk

Artigo escrito por Cátia Silva e Gonçalo Baptista