O Biggs cortou vários episódios da série animada Sailor Moon Crystal, exibidos no final de novembro e princípio de dezembro. Os trechos censurados faziam parte dos episódios 29, 30, 31 e 33 da terceira temporada.

Os primeiros excertos editados mostravam Sailor Uranus a beijar na boca Sailor Moon, ambas do género feminino. Sailor Uranus é uma das personagens que surgem no terceiro arco do remake da série de 1992.

Sailor Pluto (esquerda), Sailor Neptune (centro) e Sailor Uranus (direita).

O “lápis azul” da Dreamia, empresa dona do canal, censurou também o episódio transmitido a 3 de dezembro. Nele Sailor Uranus encostava a testa na de Sailor Moon, num gesto de afeto entre as duas. O Espalha-Factos questionou a empresa, que detém também os canais Panda e Hollywood, sobre os critérios para a censura dos episódios na série juvenil.

Na escolha da programação que compõe a sua grelha, o canal Biggs, no exercício da sua liberdade e no quadro da responsabilidade editorial que lhe cabe, rege-se por critérios exclusivamente editoriais, tendo em conta, o seu público-alvo, responderam através de correio eletrónico.

A escolha, afirmaram, teve luz verde do estúdio japonês dono da série, o Toei Animation. “A transmissão do programa na versão em causa, com o acordo do respetivo produtor, decorreu tão-somente de mera opção editorial do canal, ainda que suscetível de suscitar discordância”, explicaram.

Os cortes provocaram reações nos fãs e espectadores do anime, e foram várias as opiniões que se leram nas redes sociais. No Facebook da comunidade de fãs Sailor Moon Portugal, os argumentos foram antagónicos. De um lado, houve quem se revoltasse contra a censura, afirmando tratar-se de um ato de descriminação. Por outro, vários espectadores agradeceram a censura, explicando que o canal deve considerar o público-alvo: crianças entre os oito e os 14 anos.

Navegantes da Lua: uma batalha contra a discriminação

Esta não foi a primeira vez que a série de animação sofreu com a tesoura afiada dos canais. O anime original, que em Portugal foi traduzido como A Navegante da Lua, foi transmitido em 1995 na SIC, no programa Buéréré, e foi repetido no Batatoon, da TVI, em 2000.

Um dos vilões da primeira temporada de Navegantes da Lua sofreu com a ambiguidade dada pela equipa de dobragem, afirmou o porta-voz do site Sailor Moon PortugalZoisiteKunzite eram um casal homossexual, e “a dobragem optou por tornar o Zoisite uma personagem mais ou menos ambígua, para que não fosse claro se ele era um homem ou uma mulher”, indicou.

Já na terceira temporada do anime original, surge o casal lésbico Haruka e Michiru. Neste caso, a perceção que se teve foi a de que algumas falas foram suavizadas, mas sempre foi claro que eram duas mulheres”, continuou. Haruka, Sailor Uranus, e Michiru, Sailor Neptune, eram claramente um casal e viram a sua sexualidade também abafada nas adaptações. Na dobragem norte-americana, por exemplo, as duas personagens foram apresentadas como primas.

A androginia de Haruka sempre colocou dúvidas aos fãs sobre o seu género.

Na mesma série são exibidas cenas de afeto entre personagens de sexo diferente, sendo que não sofreram cortes até ao momento, acontecendo o mesmo em muitos outros programas que o Biggs transmite e onde exibe beijos entre personagens de sexo diferente”, concluiu o mesmo representante do site de fãs.

Em nome da Lua, vou castigar-te!

A rede ex aequo, associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e intersexo, emitiu um comunicado onde disse que “condena este ato de discriminação e pretende lutar para que este tipo de situações não continue a existir.” A associação LGBTI prometeu avançar com uma queixa formal junto da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Esta semana, o Biggs anunciou a mudança de horário de exibição de Sailor Moon Crystal. A terceira temporada, que era transmitida às 11h e repetida às 20 horas, será exibida nas noites de fim de semana. A série passará a ir para o ar às 21h e terá repetição às 23 horas, aos sábados e domingos. Os fãs acreditam que a alteração na grelha seja uma tentativa de chegar a crianças mais velhas e creem que poderá significar o fim da censura na série.