O Espalha-Factos entrevistou o grupo brasileiro Porta dos Fundos que está de regresso a Portugal com o espetáculo de improvisação Portátil. Este ano junta-se ao grupo um novo elemento, o humorista César Mourão.

Foi em dezembro de 2015 que o Porta dos Fundos sobrevoou o Atlântico para nos apresentar Portátil, um espetáculo de improvisação que parte de uma entrevista com a plateia. A partir de 14 de dezembro deste ano, Gregorio Duvivier, Luis Lobianco e Gustavo Miranda regressam “não apenas para fazer rir, mas para contar uma história”.

Portátil parte de um episódio de vida contado por um voluntário do público. Episódio que, lembra Gregório Duvivier, “não tem de ser genial ou divertido, pois nem sempre é mais fácil partir de histórias engraçadas para fazer comédia.” Com apenas uma memória de infância ou um sonho futuro como matéria-prima, os atores reconstroem toda a história à volta, mergulhada em humor e momentos caricatos.

Foto: João Marcelino

A grande novidade? César Mourão

Para Gustavo Miranda, é esse o principal desafio deste tipo de improviso. “[O voluntário] já conta a história, ele faz o spoiler. Teremos de surpreender em como contá-la.”, diz o ator colombiano sobre esta peça em que até a música, de Andres Giraldo, surge no momento.

Mas a principal novidade este ano é César Mourão, convidado para substituir João Vicente de Castro, que não pôde estar presente. Quanto à escolha do humorista português, o elenco reconhece o enorme talento do ator e a sua experiência no improviso, que “trará a cor portuguesa ao espetáculo, numa audiência com uma temperatura bem diferente da do Brasil”. César Mourão integra o grupo Commedia a la Carte desde 2000, entre outros grupos de improvisação,  e conheceria já o Porta dos Fundos de outras visitas a Portugal.

Para Luis Lobianco, Portátilé uma cabeça com cinco corpos”. A história e o respeito por ela são soberanos para os atores e isso significa que tanto poderá ter um tom épico, romântico ou trágico. “A comédia não é o objetivo em si”, acrescenta Luis. “Ela vem naturalmente da química entre os cinco.”

Foto: João Marcelino

A tour terá início em Lisboa, no Teatro Tivoli BBVA, de 14 a 16 de dezembro, seguindo para Coimbra, onde volta a subir ao palco no Teatro Académico de Gil Vicente, dia 18. Dias 19 e 20 apresentam-se no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, estando o último espetáculo agendado para dia 21, em Guimarães, no São Mamede CAE.