12-years-a-afsfasfaslave-lynching-scene-05

5 filmes que não nos deixam esquecer dos Direitos Humanos

No dia 10 de dezembro foi internacionalmente celebrado o dia dos Direitos Humanos: um tema cuja exploração na 7ª arte tem vindo a crescer exponencialmente de ano para ano. Democratizando pontos de vista díspares e colocando os seus espectadores no meio da acção, o cinema é uma plataforma que consegue, inigualavelmente, abrir mentalidades.

Esses são os filmes que o Espalha-Factos se propõe a celebrar no 5 de hoje: 5 filmes que não nos deixam esquecer dos Direitos Humanos.

Incendies – A Mulher que Canta – 2010 – Denis Villeneuve

 

Baseado na peça homónima de Wajdi Mouawad, que tirou inspirações da Guerra Civil do Líbano e na incrível história real de Souha Bechara, esta poderosa obra de Denis Villeneuve mostra-nos, sem medo, os horrores de uma guerra bem recente. Misturando elementos clássicos da construção narrativa com uma fotografia assustadoramente poética, este é um filme que deixa cicatriz e te faz questionar a liberdade de cada um dentro da sociedade em que está inserido.

América Proibida – 1998 – Tony Kaye

maxresdefaufasacacalt

O meio que envolve a família da personagem principal, interpretada fantasticamente por Edward Norton, impele-o, e mais tarde ao seu irmão, a seguir uma filosofia Neo-Nazi. O filme de Tony Kaye retrata o antes e depois de uma mudança de atitude por parte do protagonista, colocando questões pertinentes sobre fundamentações lógicas baseadas em ódios e suas repercussões.

O Homem Elefante – 1980 – David Lynch

john-hurt-as-vadvavajohn-merrick-in-the-elephant-man-john-hurt-30963010-2560-1673Baseado na história real de Joseph Merrick, um homem com uma deformação extrema que é (ab)usado enquanto aberração de circo, até que a bondade de algumas pessoas o deixam revelar-se como um homem inteligente e sensível. Um dos filmes mais acessíveis de Lynch, este é também o palco para algumas das nuances visuais mais memoráveis dos anos 80 e um estudo direto sobre a discriminação baseada em nada mais que o aspeto físico.

V de Vingança – 2005 – James McTeigue

Acção à la Matrix é o que pontua esta adaptação da novela gráfica de Alan Moore: mas as máquinas contra as quais se lutam são bem diferentes. V (interpretado por Hugo Weaving) é um idealista sem laços de afectividade com o mundo. Retratando a sua luta pela liberdade de um povo que não é o seu, o filme traça paralelismos entre o fascismo, a obra de George Orwell e uma intensa busca de identidade: tanto da nação como do protagonista.

12 Anos Escravo – 2013 – Steve McQueen

 

Dos filmes mais controversos do novo milénio, a obra-prima do realizador britânico divaga até ao coração da América do séc. XIX onde acompanhamos Solomon Northup: um homem livre que, pela sua cor de pele, é enganado e vendido como escravo. Este é o relato real dos próximos 12 anos da sua vida. McQueen sempre foi intransigente ao abordar situações reais (nomeadamente com Fome, que também merecia um lugar nesta lista) de forma a colocar um espelho na cara deformada da humanidade. Esperemos que esta memória de tempos passados chegue para prevenir que volte acontecer.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
SIC Jornal da Noite
Audiências. ‘Jornal das 8’ cresce e ameaça líder ‘Jornal da Noite’