O espetáculo de dança Mixed Feelings, de Rafael Alvarez, chega esta sexta-feira a Lisboa e à Culturgest, palco que o recebe não só sexta mas também no sábado.

Segundo a sinopse da programação, a coreografia de Rafael resulta de «um misto de sentimentos desencontrados, mundos à parte, conflitos de interesse e rebeldes com causa». Mixed Feelings pretende olhar o mundo, pensar na diversidade e pluralidade e explorar alternativas, partindo sempre do princípio que para mudar alguma coisa é preciso agir. Agir a partir do movimento, mudando os corpos de um lado para o outro e arrastando as imagens que nos perseguem.

Os bons e os maus dão corpo a uma dança de «sentimentos desencontrados e impressões pouco claras, à beira do precipício e em parte incerta, entre a espada e a parede, em rendição e contra-ataque».

Este slideshow necessita de JavaScript.

A peça coreográfica para quatro intérpretes tem direção artística, coreografia, cenário e figurinos de Rafael Alvarez, produção da EIRA e co-criação e interpretação de Ana Rocha, Mariana Tengner Barros, Luigi Vescio e Youngjun Shin.

O coreógrafo

Rafael Alvarez nasceu em Lisboa, em 1976. Coreógrafo e performer, cenógrafo e figurinista, Rafael tem vindo a apresentar o seu trabalho, desde o final dos anos 1990, na Europa, Américas, Médio Oriente, Ásia e África.

Desde o início do seu percurso, Alvarez investiga, nos seus projetos coreográficos, uma «dimensão plástica do movimento e da composição, reunindo uma forte componente visual na construção do corpo e do espaço».

Em 1997, criou o seu primeiro espetáculo – Go rest my, I close the doors -, um concerto-performance em colaboração com o artista visual Pedro Valdez Cardoso, no Teatro Taborda em Lisboa.

Outros espetáculos como Ar.Condicionado (1998), Self-Service (1999), Última Chamada (2005), Colecção Privada (2007), Fatigues (2009) ou mais recentemente Haute Couture (2010) e sweetSKIN (2012) são parte significativa no seu trabalho que tem circulado internacionalmente.

Mixed Feelings tem ainda desenho de luz de Nuno Patinho, fotografia de Elisabeth Vieira Alvarez, design gráfico de Paulo Guerreiro, numa coprodução com a Culturgest. Estará em cena palco do Grande Auditório nos próximos dias 11 e 12, às 21h30.

Os bilhetes já se encontram disponíveis nos locais habituais e variam entre 5 e 12 euros. Na sexta-feira, após o espetáculo, haverá também uma conversa com os artistas na Sala 1.