Se dúvidas havia, Tarantino fez questão de as dissipar. Numa conferência organizada pela empresa Adobe Max em San Diego, na qual foi convidado especial, o cineasta confirmou a veracidade dos rumores: realizará apenas mais dois filmes antes de colocar um ponto final definitivo à sua carreira.

Evitando alongar-se em pormenores relativamente aos seus planos para a reforma, Tarantino aproveitou para falar um pouco do projeto que tem neste momento em mãos e que o tem afastado do trabalho na sua próxima longa-metragem.

As informações cedidas são escassas, mas o que já é do conhecimento público é que desta feita o realizador viajará até ao cinema da década 70, não especificando contudo em que formato: “Pode ser um filme, um documentário ou um podcast em cinco partes“, sugeriu.

No seu registo caracteristicamente ambicioso e confiante, o realizador deixou ainda claro que só se considerará um homem bem-sucedido se ficar na História “um dos melhores cineastas de todos os tempos”.

Em declarações que já começam a exibir alguns contornos de despedida, Tarantino fez uma retrospetiva dos seus últimos filmes e recusou-se a dar mais pistas relativamente aos que se avizinham. Relembramos que, no início deste ano, tinha já anunciado que a sua próxima longa-metragem trará ecos de Bonnie and Clyde e deverá tomar lugar na Austrália dos anos 30. Tudo o mais está ao seu gosto: no segredo dos deuses.