American Horror Story

American Horror Story 6×08: a lei do salve-se quem puder

A sexta temporada de American Horror Story está cada vez mais próxima do fim e os protagonistas continuam a lutar pela sobrevivência, apercebendo-se de que as ameaças aumentam a cada segundo que passa. O oitavo episódio de Roanoke estreou no canal FX no dia 2 de novembro.

Lee (Adina Porter), Audrey (Sarah Paulson) e Money (Angela Bessett) continuam reféns da família Polk. Os métodos de tortura continuam violentos e perturbadores, à medida que os Polk arrancam mais carne de Lee para comer e alguns dentes de Audrey, de modo a fazer um colar decorativo. Mais uma vez o elenco feminino de American Horror Story prova o seu valor e não se deixa ir abaixo facilmente.

Lee consegue seduzir Jether (Finn Wittrock) e imobilizá-lo, à medida que Monet também se consegue soltar da sua cadeira e escapar. Lee e Audrey conseguem regressar à casa – mas não sem antes assassinarem brutalmente a Mama Polk (Robin Weigert). Monet continua desaparecida no meio da floresta, sendo perseguida pelos restantes membros da família Polk.American Horror Story

Sabemos que o elenco de American Horror Story é do melhor calibre quando nomes como Finn Wittrock aparecem apenas em dois episódios, mas com uma prestação irrepreensível. Com outros veteranos confirmados para voltar, como Matt Bomer e Taissa Farmiga, não restam dúvidas de que esta temporada fica melhor a cada semana que passa.

Enquanto isso, Shelby (Lily Rabe) e Dominic (Cuba Gooding Jr.) tentam escapar da casa, mas são rapidamente atacados por tudo aquilo a que têm direito: as enfermeiras assassinas, os fantasmas de Roanoke, o Piggy Man, entre outros. A dupla vê-se forçada a trancar-se na casa de banho, onde Shelby começa a afundar-se na culpa de ter morto o seu marido e acaba por se suicidar, cortando a própria garganta.

A série sempre foi conhecida por arranjar maneira de trazer as personagens de volta de cada vez que elas morriam – na terceira temporada, por exemplo, ressuscitar era quase tão garantido como o sol nascer de manhã. Contudo, esta temporada junta num só espaço um elenco altamente talentoso, cujas mortes são irreversíveis, o que torna mais difícil aceitar o destino de determinadas personagens.American Horror Story

De volta à casa, Lee e Audrey deparam-se com os cadáveres de Matt e Shelby, culpando Dominic por toda a situação. Quando este é exilado no corredor, acaba por ser atacado e assassinado pelo Piggy Man. Menos um na lista de sobreviventes.

Na manhã seguinte, Lee e Audrey deparam-se também com o Piggy Man, até que este decide remover a máscara animalesca e revelar o rosto de Wes Bentley, o ator que protagonizou Ambrose White durante a primeira metade da temporada e que agora aparentemente se chama Dylan.

À medida que nos aproximamos do final e contamos pelos dedos da mão as personagens que restam, esta temporada de American Horror Story continua a arranjar maneira de nos surpreender e introduzir revelações aqui e ali.

É interessante a forma como continuam a brincar com o conceito de televisão e representação, nomeadamente quando Audrey fala sobre Shelby, dizendo: “Eu representei-a durante seis meses, conheço-a melhor do que a mim própria“. Com apenas dois episódios restantes, o meu dinheiro está em Lee, que parece ter a força e garra necessárias para sobreviver a este pesadelo.

NOTA: 8/10

Mais Artigos
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira leva ‘Jornal das 8’ à liderança das audiências