Aproximamo-nos do fim do mês que nos obriga às despedidas do verão e à receção definitiva dos tempos mais sombrios. A melancolia transporta-nos no tempo e recordamos os discos editados há precisamente 10 anos. O coração aquece com a estreia dos Beach House e de Taylor Swift e viaja no tempo ao lembrar que Rehab saiu há uma década.

Beach House – Beach House (Carparck Records)

A pop sonhadora de Alex e Victoria chegou-nos há dez anos através do álbum homónimo que foi amplamente aclamado. Já muito se passou na carreira da dupla de Baltimore e tivemos a sorte de os receber no nosso país por diversas vezes. Este disco de estreia foi a sua entrada de rompante nos nossos corações.

Para ouvir também: Saltwater, Childhood, House on the Hill

The Killers – Sam’s Town (Bong Load Records)

O disco que conheceu este ano uma reedição de luxo para assinalar o seu 10.º aniversário e cuja capa é – para nós – uma das mais bem conseguidas da década passada, meteu-se na boca de meio mundo com a famosa When We Were Young, quase-hino de uma geração a passar do quarto de século. Pop orelhuda com letras diretas. E sim, 10 anos.

Para ouvir também: For Reasons Unknown, Read My Mind, Bones

Albert Hammond Jr. – Your to Keep (Rough Trade Records)

A estreia a solo do guitarrista dos The Strokes teve diversas colaborações na música, como o próprio Julian Casablancas, mas também na realização do videoclip de In Transit, por Joaquin Phoenix. Não são os The Strokes, é verdade, mas é um disco simpático ao qual sabe bem voltar.

Para ouvir também: Everyone Gets a Star, Back to the 101, Call an Ambulance

Taylor Swift – Taylor Swift (Big Machine Records)

A americana tinha apenas 16 anos de idade quando gravou o disco que a catapultou para o sucesso que ainda hoje mantém. Vencedora de diversos discos de platina, n.º 1 nalgumas tabelas e já com mais 6 milhões de discos vendidos, o álbum homónimo de Taylor Swift é um óbvio caso de sucesso.

Para ouvir também: Tim McGraw, Should’ve Said No, Our Song

Amy Winehouse – Back to Black (Island Records)

O difícil – aliás, dificílimo – disco da cantora e compositora inglesa merecia um artigo inteiro. Sabidos mais ou menos os contornos da sua produção, resta-nos sublinhar a beleza e crueza de temas tão realistas como ricos, como é o caso do single Rehab. Back to Black venceu o Grammy de Best Pop Vocal Album.

Para ouvir também: Rehab, Love is a Loosing Game, Addicted