208305

DocLisboa’16: O triunfo do filme ensaio

O quarto dia do festival ficou marcado pela obra dedicada à carreira de 50 anos de Manoel de Oliveira e pelas várias sessões inseridas na Competição Portuguesa, como O Espectador Espantado, de Edgar PêraA Cidade onde envelheço, de Marília Rocha.

Das três sessões dentro da secção Riscos, o Grande Auditório da Culturgest recebeu o documentário Manoel de Oliveira: 50 Anos de Carreira, realizado por Augusto M. Seabra José Nascimento. Em 1981, ano da sua realização, a carreira do que viria a ser o mais velho realizador do mundo até à sua morte completava meio século, porém, grande parte da sua obra estava ainda por fazer. Um projeto íntimo com testemunhos do próprio Manoel de Oliveira e de alguns dos que com ele trabalharam ou que acompanharam de perto o seu trabalho.

Na secção de Competição Portuguesa, o destaque vai para os filmes de Marília RochaA Cidade onde envelheçoO Espectador Espantado, de Edgar Pêra.

A Cidade onde envelheço – 6/10478808

A história de amizade entre Francisca (Francisca Manuel) e Teresa (Elizabete Francisca) é-nos trazida no formato ficcional. Marília Rocha regista o reencontro de uma amizade afastada pelo tempo e, ao mesmo tempo, a empatia e química reais entre duas atrizes que se entregam na relação de forma verdadeira (tanto que em algumas cenas se nota o uso do improviso).

Filmado em Belo Horizonte, no Brasil, A Cidade onde envelheço cobre a dicotomia entre o novo e o assente, a euforia e a monotonia, a vontade de fug(ir) e a de regressar. Teresa, recém chegada ao Brasil, reflete os primeiros conceitos; Francisca, a viver lá há um ano e com saudades de Lisboa, corresponde aos segundos.

É fácil entender porque foi este filme inserido neste festival, visto que a linha que separa a ficção da realidade é bastante ténue ao longo de todo o filme. Por mais que a história superficial tenha uma base de ficção, o quotidiano brasileiro e as características das personagens convencem-nos da sua genuinidade. Em Francisca e Teresa vemos duas fases que bem podiam ser da mesma pessoa. Juntas transparecem o processo que vai desde a procura por um lugar novo ao desejo de regressar a casa, com todo o conflito de interesses que dele fazem parte. Mesmo que aparentemente distantes, acabam por convergir no mútuo sentimento em assentar no sítio ideal – até que, eventualmente, o ciclo se voltará a repetir.

O Espectador Espantado – 9/10
e02fa9365928a4445d4c5963882b5456

Edgar Pêra já há muito que se afirmou como um dos realizadores portugueses mais irreverentes dos últimos anos. O Espectador Espantado, o seu novo trabalho, vem cimentar essa posição, naquele que é um dos filmes-ensaios mais cativantes dos últimos tempos.

Com o objetivo de expor a relação que o espectador tem com e o seu próprio papel no cinema, este documentário feito ao longo de vários anos reúne entrevistas a inúmeras personalidades ligadas à 7.ª arte, que refletem sobre a evolução do cinema e as sensações que este despoleta no público. Percorrendo os muitos tópicos que há por percorrer no vasto mundo cinéfilo, Pêra oferece-nos um testemunho universal sobre o amor à sala escura e sobre as inúmeras questões que o mesmo levanta. Paralelamente, o realizador cria um ambiente único através de um visual absolutamente extraordinário que enriquece (e de que maneira!) a visualização. O uso de 3D é a cereja no topo do bolo e o último “empurrão” para mergulharmos por completo no filme.

Fosse outra pessoa pegar nesta ideia e muito provavelmente acabaríamos por ver um enfadonho documentário que se limitaria a compilar uma série de entrevistas em modo reportagem televisiva. Edgar Pêra, felizmente, não se contenta com isso: transforma o seu ensaio numa experiência fantástica, inesquecível, sem igual, que junta em cerca de uma hora tudo aquilo do que mais amamos nos filmes como espectadores. Perfeito para refletir sobre o cinema e para nos relembrarmos do porquê de o termos como arte predileta, o Espectador Espantado é já um ponto alto nesta edição do DocLisboa e um sério concorrente aos prémios finais do festival.

 

Artigo redigido por Patrícia Nunes e Sebastião Barata.

Mais Artigos
Holocausto
Holocausto: 8 filmes que retratam o verdadeiro flagelo nazi