hs_20161020_rbcc_altas_0002-jpg-f
Foto: Hugo Silva

Culture Clash: a batalha de titãs onde quem fizer mais barulho ganha

Já está. Lisboa já entrou no circuito de cidades que acolhem o Red Bull Music Academy Culture Clash. Também já Londres, Nova Iorque ou Milão assistiram a uma batalha de crews, onde quem decide o vencedor é o público. Como? Através do sonómetro, um sistema que mede a intensidade do som. A crew Club Atlas, liderada por Branko, foi a grande vencedora da noite. 

Nem parecia o Coliseu de Lisboa. Afinal, o esforço era para esta sala de espetáculo se adequasse a um sound clash de origem jamaicana. Quatro palcos diferentes estavam distribuídos pelos recantos do espaço. Num dos camarotes, surge Alex D’Alva Teixeira, e na plateia aparece Gisela João. São eles que vão ditar as regras e lançar as contagens para cada atuação. Ao público, basta apreciar e fazer barulho pela crew de que gosta mais. A competição conta com quatro rounds. No final, há um vencedor.

Alex e Gisela João foram os anfitriões. Foto: João Pedro Marnoto
Alex e Gisela João foram os anfitriões. Foto: João Pedro Marnoto

A primeira crew a entrar em ação foi Club Atlas. Liderada por Branko, o grupo contou com Fred Ferreira, DJ Riot, Kalaf, Pongolove e Carlão. Os nomes já suscitavam a nostalgia do público e a escolha de temas como Re-Tratamento, dos Da Weasel, ou Yah, dos Buraka Som Sistema, previa que o sonómetro fosse generoso para esta crew.

Carlão é um dos membros da crew Club Atlas. Foto: João Pedro Marnoto
Carlão é um dos membros da crew Club Atlas. Foto: João Pedro Marnoto

Segue-se Moullinex Live Machine, com XinobiDa Chick e The Legendary Tigerman em palco, mas para o público o som chega tímido, fraquinho, embora se assuma a qualidade dos artistas. Do funk ao hip-hop, chega a vez de Matilha, com DJ Ride, Jimmy P e MGDRV. Desde o início que entraram a perder. Eram tantos e tão desorganizados em palco, que nem alusões a Kendrick Lamar ou a introdução de We Are the Champions salvaram a situação.

Foto: Hugo Silva
Foto: Hugo Silva

A última crew na primeira ronda trazia Batida (Pedro Coquenão), DJ Satélite e Karlon à competição. Os sons africanos do afro-house e do kuduro eram apenas um aquecimento que o grupo prometia vir a seguir. O sonómetro entrava finalmente em ação e dúvidas não restaram. Club Atlas eram os primeiros vencedores. Contudo, esta era uma ronda de experiências e apenas as próximas três ditariam o vencedor.

Moullinex voltou e aumentou as expectativas que muitos tinham nesta crew. Selma Uamusse subiu ao palco e agitou a música para aqueles lados. Já a Matilha continuou uma desorganização. Palavra essa que não se pode aplicar à crew de Batida e amigos. Aos sons africanos, juntou-se o movimento com os irmãos Gonçalo e André Cabral, que fixaram os muitos olhares naquele pequeno palco. Mas o derradeiro momento aconteceu quando foram lançadas fotografias dos 17 ativistas angolanos, numa das galerias do Coliseu, detidos em maio de 2015 e atualmente em liberdade condicional. A estas fotografias juntou-se o retrato de José Eduardo dos Santos e assobios na plateia. Grande parte do público já tinha escolhido o grande vencedor daquela ronda.

Os manos Cabral dançaram pela crew de Batida. Foto: Hugo Silva
Os manos Cabral dançaram pela crew de Batida. Foto: Hugo Silva

Mesmo assim, Club Atlas não desistiu e investiu em temas como Kalemba e Tá Tranquilo, Tá Favorável. No final, a segunda ronda consagra a crew de Batida.

Uma terceira ronda chega e se já tinham sido lançadas “provocações”, como as de Club Atlas a Matilha: “Esqueçam se vêm para aqui com músicas da Rádio Cidade”. Matilha ataca e chama “cotas” a Club Atlas, mas nem assim se safam. Batida também “provoca” Moullinex ao fazer kuduro com uma verdadeira Moulinex levando o público ao riso total. Mas o trunfo está em Bonga, “o Próprio Kota” que alinha na competição e impõe o respeito no Coliseu.

Club Atlas ataca com mais temas conhecidos, desde Sam the Kid a Regula. Moullinex aposta com a entrada de Catarina Salinas, dos Best Youth, montada num cavalo branco em palco, não no pequeno palco da crew, mas no verdadeiro palco do Coliseu. Foi o momento para interpretar Fumo Denso, de DJ Ride, num sensual momento com Ed Rocha Gonçalves. No palco da Live Machine, surgiam ainda Mike El Nite e Marta Ren. Estas bolinhas de energia eléctrica e trunfos de Moullinex acabam por vencer esta terceira ronda.

Moullinex vence a terceira ronda. Foto: Hugo Silva
Moullinex vence a terceira ronda. Foto: Hugo Silva

A derradeira medição do som

No final, tudo parece imprevisível e qualquer uma das crews parece estar apta para vencer, sendo que Matilha está em desvantagem. Mas convidados especiais vão aparecer. Se Batida escolhe Konono nº1, Club Atlas traz Nelson Freitas e Richie Campbell. Já Moullinex convida Marta Ren e um coro gospel e a Matilha chama Capicua. Tudo está incerto, mas o sonómetro não engana: o vencedor é Club Atlas. O Culture Clash trouxe uma batalha “amigável” a Lisboa, em que quem venceu foi a música. Não interessa quem ganhou, mas sim o ritmo e som da batalha.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
'Red, White and Blue' da coleção 'Small Axe'
‘Small Axe’: ‘Red, White and Blue’ chega à HBO