O ano em que nasci coincidiu com a estreia da Sailor Moon na televisão japonesa. Quando finalmente a série chegou a Portugal, lembro-me de gravar os episódios em cassete de vídeo para rever vezes sem conta.

As navegantes foram as guerreiras da minha infância e as aventuras no Dragon Ball a inspiração para as minhas brincadeiras. Depois, em adolescente, o país do sol nascente conquistou-me com a fantasia em A Viagem de Chihiro, a magia de O Castelo Andante e o encanto de O Meu Vizinho Totoro.

Hoje confesso ser um fã entusiasta da cultura pop japonesa. A manga e o anime foram o meu ponto de partida para explorar outros mundos neste universo. A curiosidade pela música surgiu naturalmente e, aliada à minha predileção por música pop, descobri o J-pop: um género próprio de pop que se tornou popular no Japão no início da década de 90. O pop japonês materializa-se num som e num estilo particulares: numa experiência onde a leveza e alegria da música são misturadas com uma estética criativa e quase excêntrica.

Numa galáxia vizinha está o pop sul-coreano. São países com culturas muito diferentes e as diferenças também são evidentes nos géneros musicais. O K-pop retira forte inspiração da música ocidental e nos anos recentes tem ganho fôlego com a precisão milimétrica da sua execução: os artistas têm visuais interessantes, as músicas são bilingues, a coreografia é treinada até à perfeição e os videoclipes são grandes produções. Embora admita os seus contrastes, o meu fascínio pelos dois géneros é idêntico. Comigo formam um triângulo amoroso e é-me difícil admitir qual é aquele de que gosto mais.

A Pop Noodles é uma receita que combina estes ingredientes e propõe despertar o apetite aos mais curiosos. Num formato quinzenal, a nova rubrica do Espalha-Factos apresenta um menu composto por artistas de ambos os países. Este fim de semana, as sugestões do chef são dois grupos femininos.

F(X) ⌊에프엑스⌋

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Z0S3knWIdrY]

Atualmente composto por quatro elementos, f(x) é um dos grupos coreanos com maior projeção internacional. Integram o conjunto: Amber, Krystal, Luna e Victoria e cada uma merece o seu mérito próprio, sendo que criam projetos individualmente. Mas é na sua sinergia que são particularmente bem sucedidas e são reconhecidas pela sua sonoridade baseada no pop eletrónico.

O grupo foi criado em 2009, e desde 2010 que embarcam em digressões mundiais, com paragens habituais na China e no Japão, mas também nos E.U.A. e na Europa.

Foram o primeiro grupo de K-pop a atuar no festival americano SXSW, em 2013, e na altura reconheceram: “Consideramos termos sido convidadas porque o género de música que fazemos é raro“. Antes de se colocarem sob os holofotes da discoteca Elysium afirmaram que a melhor qualidade do grupo é serem “multinacionais” e sublinharam a sua capacidade de comunicar em várias línguas.

O seu último disco, 4 Walls, lançado em 2015, é o modelo ideal de música pop. A barreira linguística não é um problema: as melodias são infecciosas e os refrões cantam-se em inglês.

Sugestões do chef: 4 Walls, Red Light, Electric Shock, Rum Pum Pum Pum, Papi, Deja Vu

 

PERFUME ⌊パフューム⌋

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=vhfYis6VuXY]

O trio japonês tem as suas raízes na província de Hiroshima e as suas protagonistas são Ayano Ōmoto, Ayaka Nishiwaki e Yuka Kashino. A reunião precoce – as raparigas tinham apenas 11 e 12 anos – foi o começo da sua ascensão a super estrelas. No seu estado embrionário, enquanto artistas na editora indie Bee-Hive Records, a sua música seguia a fórmula dos temas de anime e a sua imagem era doce e inocente.

A mudança de editora, em 2005, acompanhou-se de uma metamorfose: visual, com uma apresentação mais moderna e com inspirações na ficção científica, e acústica, com um novo som, que retira elementos do house e da música eletrónica europeia.

Perfume estrearam-se no palco do SXSW em 2015 e o seu concerto foi descrito pela Wired como uma experiência “saída diretamente do futuro“. A revista deu principal relevo à tecnologia utilizada pelo grupo feminino: uma complexa e dinâmica demonstração de video mapping, com a qual o trio interagiu.

O trio feminino é dos artistas de J-pop com maior relevância transnacional e em agosto foram inspiração do grupo à capela Pentatonix para criação de um medley.

Sugestões do chef: Spending All My Time, Chocolate Disco, 1mm, Fake It