055_2048x1152

DocLisboa16′: O milagre do belo e do sublime

O cinema do real voltou ontem a Lisboa com o arranque da 14.ª edição do DocLisboa e, depois da sessão de abertura, a fasquia dificilmente poderia estar mais elevada. Oleg y las Raras Artes (2015), de Andrés Duque, deu o pontapé de saída ao festival e deixou o público do grande auditório da Culturgest com água na boca (e com o olho nas restantes exibições que se prolongam até dia 30).

O Espalha-Factos esteve lá e conta como foi sentir na pele o formigueiro da verdadeira fruição estética.

 

Oleg y las Belas Artes – 8.5/10

“Não há Estado que valha Shakespeare”. A frase é de Fernando Pessoa mas arriscamos dizer que também podia ser da autoria de Oleg Karavaichuk, pianista russo no crepúsculo da vida, que é o coração de Oleg y las Raras Artes. É que Oleg, um octogenário de rosto andrógeno e voz estridente, usa a liberdade que lhe é concedida pelo realizador Andrés Duque para fazer uma verdadeira apologia do sentimento e da experiência das sensações, em longos e distraídos monólogos salpicados por comentários políticos corrosivos.

Oleg corresponde ao protótipo do génio louco, como ele próprio admite. Porém, a verdade é que, ao fim de vinte minutos de filme, o espectador já não consegue distinguir onde termina a sua loucura e começa a lucidez. Ressoa o eco familiar da história do corcunda de Notre-Dame. Na figura envelhecida e encarquilhada de um homem de outro tempo, melancólico e saudosista, que envia cartas jocosas à Rainha Sofia a recusar os seus convites para tocar em saraus reais e relembra com nostalgia os serões em que actuava para o “querido líder” Estaline, encontramos a personificação da graciosidade e da sensibilidade românticas, o encarnar da concepção platónica de criação artística.

Ciente da intensidade e do efeito hipnotizador do seu protagonista, Duque opta por um estilo discreto e minimalista: planos fixos em que as maiores movimentações advêm das mãos deformadas do artista, tocando por um impulso incontrolável que em nada se assemelha, como o próprio lamenta, ao que se ensina à juventude nos metódicos mas aborrecidos conservatórios de música dos nossos dias.

É que para Oleg, a arte corre-nos nas veias. Talvez seja essa a razão pela qual consigamos estar ininterruptamente arrepiados durante os setenta minutos de filme. O lirismo delicado e a emoção vibrante estão em cada plano, em cada palavra e em cada tecla do piano do czar Nicolau II (no qual apenas Oleg tem autorização para tocar). Uma celebração do belo e do sensível num mundo em que “a fruta do mercado já não tem cheiro” e as árvores são cortadas em nome do princípio do “conforto”.

Escrevendo sem medo um verdadeiro tratado anti-Putin, Oleg apresenta-nos a sua tese de que a arte engrandece-se face à política, enquanto mais nobre e elevada proeza da sensibilidade humana. Depois deste bem-vindo balde de água-fria, nunca mais vamos entrar num museu com a mesma atitude. E ainda bem.

 

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Kelly Bailey Bem Me Quer
‘Bem Me Quer’ sobe em horário nobre e SIC lidera dia por pouco