American Horror Story

American Horror Story 6×06: a tão aguardada reviravolta

Ryan Murphy prometeu uma reviravolta no sexto episódio de Roanoke, a sexta instalação de American Horror Story, e tal não desiludiu. Numa só temporada, ficámos com a sensação de estar a assistir a duas instalações diferentes que convergem maravilhosamente num ponto comum. O novo episódio estreou no canal FX no dia 19 de outubro.

Cheyenne Jackson interpreta Sidney, o produtor por trás do documentário My Roanoke Nightmare. Aparentemente, a produção foi um sucesso e Sidney já está preparado para uma sequela, intitulada Return to Roanoke: Three Days in Hell, na qual os protagonistas e os atores que os interpretaram serão reunidos e ficarão todos instalados na famosa casa assombrada, durante o ciclo da lua vermelha.

É a partir daqui que começamos a conhecer as verdadeiras personagens desta sexta instalação da série. O primeiro contato é com Shelby (Lily Rabe), que parece ter-se separado de Matt (Andre Holland) após ter tido um caso com Dominic Banks – o nome verdadeiro de Cuba Gooding Jr. A protagonista diz que está disposta a voltar à casa para retomar contato com Matt e tentar reatar a relação. É fascinante ver a forma como o envolvimento das personagens no documentário afetou as suas vidas pessoais.640

A verdadeira Lee (Adina Porter) pretende também voltar à casa para limpar o seu nome relativamente ao assassínio do seu marido. A atriz que a interpretou, Monet Tumissee (Angela Bessett), é agora uma autêntica alcoólica graças ao seu envolvimento no documentário, e as duas depressa criam uma relação de inimizade dentro da casa. Ver o confronto entre duas mulheres que ainda na semana passada interpretavam a mesma personagem apenas demonstra o talento destas atrizes.

Kathy Bates é, na verdade, Agnes Mary Winstead e claro que a sua personagem tinha de ser, no mínimo, controversa. Aparentemente, Agnes criou uma fixação pela sua personagem The Butcher e começou a agir como ela na vida real, sendo então diagnosticada com alguma forma de psicopatia. Graças a isto, Agnes fica expulsa da sequela, mas ela não é mulher para aceitar um não de forma leviana. Agnes traz The Butcher de volta à vida e torna-se num verdadeiro pesadelo em torno da casa.ahs_3

Por fim, conhecemos Audrey Tindall e Rory Monahan, os verdadeiros nomes de Sarah Paulson e Evan Peters, respetivamente. Pelos vistos, após se terem conhecido durante o documentário, a dupla apaixonou-se e estão agora casados um com o outro. Audrey é originalmente britânica e aqui aponto a única falha deste episódio. Nunca pensei dizer algo negativo relativamente a Sarah Paulson, mas o seu sotaque britânico é simplesmente detestável.

Claro que estamos a falar de uma casa assombrada e as coisas começam a ficar estranhas logo desde o primeiro segundo. A ajudante de Sidney, chamada Diana, começa a aperceber-se dos incidentes e tenta fugir para denunciar o caso, mas é rapidamente morta pelo famoso Pig Man. A meio do episódio, somos informados de que todos os residentes da casa morreram na sua estadia de três dias, exceto um.640-2

Está então aberta a sequela, com os novos residentes da casa: Matt, Shelby, Lee, Audrey, Rory, Dominic e talvez uma Agnes completamente demente. Enquanto uma loucura saída de um romance de Agatha Christie começa a acontecer e começamos a tentar adivinhar qual dos residentes será o primeiro a morrer, a resposta não demora a aparecer.

Após Audrey ser atacada dentro da casa, Rory toma controlo da situação, de modo a proteger a sua esposa. O coitado é a primeira vítima, sendo esfaqueado múltiplas vezes pelas enfermeiras que conhecemos no segundo episódio. No instante seguinte, Matt dá de caras com a palavra MURDER escrita em sangue na parede da sala de jantar. Se estão recordados, as enfermeiras deixaram a palavra incompleta, mas Rory começa com R, o que significa que as enfermeiras concluíram o seu trabalho, mas a onda de homicídios ainda agora começou.640-1

Não há palavras para descrever o quão genial foi este episódio. Os fãs foram prendados com duas mini séries dentro de uma só temporada, em que um só ator chega a interpretar duas ou três personagens diferentes. American Horror Story tem um elenco de luxo e vê-los todos juntos debaixo do mesmo teto é um manjar dos deuses.

Esta reviravolta é um autêntico Big Brother de terror, com um elemento de mistério para descobrir qual será o único sobrevivente. A série brinca com o próprio conceito de televisão, mantendo contudo o seu elemento de terror: a casa assombrada. Com apenas quatro episódios em falta, nunca estive tão entusiasmado por uma temporada de American Horror Story como esta.

NOTA: 10/10

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cinco autoras contemporâneas para ler no Dia Internacional da Mulher