Flash

The Flash 3×01: Pouco mais do que um trailer alargado

O final da segunda temporada de The Flash introduziu a série de livros de BD que dá o nome a este primeiro episódio, Flashpoint. Muito foi escrito sobre as novidades que viriam desta mudança de universo, mas pouco foi mostrado para além do já visto nos trailers promocionais da série.

Pintar os espaços em branco

Já se sabia que Barry (Grant Gustin) ao estar neste universo paralelo estaria com os seus pais. Já se sabia que ele e Iris (Candice Patton) seriam completos desconhecidos. Já se sabia que Barry não seria Flash, mas que Wally (Keiynan Lonsdaleseria o equivalente ao super-herói, através do nome Kid Flash.

Já se sabia também que Cisco (Carlos Valdes) seria um bilionário. Também era do conhecimento geral que as relações entre todas estas personagens estariam afetadas pela alteração causada no tempo, ao Barry ter decidido salvar a sua mãe.

Tudo isto era sabido e não havia mal nenhum em ter-se todas estas informações através dos trailers. Aquilo que fica a faltar é contexto, contexto este que não foi de todo dado no episódio. Os criadores da série já tinham avisado que Flashpoint não iria ocupar a história da temporada inteira, mas não estava à espera que tudo ficasse resolvido (ou pelo menos quase tudo) num só episódio. Muito menos depois de todo o hype que esta alteração criou durante o hiatus da série.

Flash

Em termos de factos, aquilo que aconteceu neste episódio foi Barry a tentar reconquistar Iris ao mesmo tempo que procurava ajudar Wally com o novo vilão que, sem nenhuma surpresa, é mais um speedster. Volta a juntar a Team Flash sem a presença de Dr. Wells, o que na minha opinião foi a carta mais bem jogada do episódio pois abre espaço a desenvolvimento, e juntos conseguem derrotá-lo, sendo que é Joe (Jesse L. Martin) quem acaba por matá-lo.

Mudanças demasiado seletivas

Por falar em Joe, esta foi uma das coisas de que menos gostei no episódio. Estamos habituados a vê-lo como uma figura paternal exímia e dotado de uma moral quase inabalável. Em Flashpoint é um bêbedo que falta ao trabalho e que não tem qualquer relação com os filhos, e os motivos da sua mudança não são de todo explorados ou sequer mencionados.

O pior é que esta foi só uma das mudanças de personagem que não foram justificadas. O universo altera-se por completo e as alterações nos comportamentos das personagens são quase imperceptíveis e, quando acontecem, não são explicadas. Obviamente que tratando-se de uma série de televisão tiveram que pegar no que mais lhes interessava, mas foi tudo demasiado perfeito para o que queriam contar.

Por exemplo, Barry quis tornar-se cientista forense devido à morte da sua mãe. Estando esta viva, porque é que a sua carreira é a mesma? A resposta mais óbvia será talvez a de que era a forma de o manter no mesmo circuito que Joe e Iris frequentam.

Flash

Ainda sobre a relação entre Barry e o clã West, se Barry não foi adoptado pelos mesmos era mesmo necessário que a relação entre estes fosse inexistente? Eram vizinhos e colegas de escola e de repente são completos desconhecidos? Barry é apaixonado por Iris porque cresceram juntos, mas se não tiveram qualquer tipo de convivência não seria lógico que naquele universo tivessem outros interesses amorosos?

Que conveniente Eddie não ter sequer aparecido, o que seria expectável uma vez que naquele universo não estaria morto! E que conveniente também Iris ser a única pessoa que sente falta de algo na sua vida apesar de não estar em contacto com qualquer outra realidade!

Mas nem tudo foi mau…

Wally foi para mim uma das grandes surpresas do episódio. A personagem de Keiynan Lonsdale tem-se apresentado sempre um tanto ou quanto tímida ao longo da série, mas em Flashpoint por ter sido apanhado por um raio enquanto conduzia um carro alterado nas corridas ilegais que fazia, é um verdadeiro super-herói.

Flash

Esteve com um grande à vontade que lhe é normalmente estranho e apresentou algumas características de Barry no início da sua vida enquanto Flash, tornando-se até plausível e engraçada a denominação de Kid Flash. Ansioso por ajudar toda a gente, Wally peca por achar que pode fazer tudo sozinho e recusa-se a ouvir os outros, algo que Barry foi fazendo principalmente com Oliver Queen/Arrow (Stephen Amell).

Ficou por explicar também como é que este entrou na vida de Iris e Joe e porque é que também ele não tem relação com o pai.

A outra irmã West esteve também incrível durante o episódio, mostrando o porquê de ser a verdadeira âncora de Barry. Passando o óbvio de que estes dois em qualquer parte do mundo vão ser especiais um para o outro, este episódio teve um pouco de um dos meus episódios preferidos da série – The Runaway DinosaurÉ sempre Iris que o traz de volta a casa, é sempre Iris que lhe vai relembrar o porquê de ele fazer o que faz. Foi bonito de ver que mesmo numa situação em que ela não o conhece e em que ele se esquece de quem é, consegue trazer o melhor de Barry ao de cima.

Flash

O que aí vem

Depois da luta com Rival (Todd Lasance) que culmina com o grave ferimento de Wally, Barry decide pedir ajuda a Eobard Thawne (Matt Letscher) para fazer tudo voltar ao normal. O vilão é sádico e só o ajuda depois de o obrigar a dizer que quer que este mate a sua mãe.

Flash

Conseguem voltar à linha temporal em que se estava na temporada anterior, com a excepção de que Iris e Joe não se falam. Não sei qual a relevância desta informação, mas para o bem da série espero que esta não seja a única alteração porque, caso contrário, as viagens entre timelines começam a fazer cada vez menos sentido, já para não falar de que faz pouco sentido Eobard Thawne ir até “àquele presente” pois teoricamente está morto. Sabe-se ainda que Rival vai ser Alchemy ou ter alguma ligação com este vilão.

Foi um início de temporada demasiado a meio gás e que me deixou profundamente desapontada. Se esta foi a única jogada feita com a cartada de Flashpoint, então espero bem que os criadores da série tenham algo tão bom que justifique este desperdício. Porém não me preocupo muito uma vez que já vem sendo hábito que The Flash comece de forma fraquinha e vá crescendo.

NOTA FINAL: 5/10
Mais Artigos
Ellen Pompeo em Anatomia de Grey
Crítica. ‘Anatomia de Grey’: a pandemia na linha da frente