Omar Kbiri, especialista em relações públicas e co-fundador do Maak, teve uma ideia original – criar uma casa “à prova de divórcio”. O gabinete de arquitetura holandês OBA pegou na ideia e assim surgiu o projeto Prenuptial Housing, que pretende tornar o processo de separação menos doloroso.

O co-fundador do Maak procurava uma casa com noiva, quando concebeu um novo conceito de habitação. Consciente dos problemas que os seus amigos e familiares haviam tido respeitantes ao divórcio e divisão de bens, contactou o gabinete de arquitectura OBA para o ajudar a desenhar uma vivenda com a peculiaridade de poder ser dividida em duas.

O arquitecto Xander den Duijn é o responsável pelo projeto ainda em fase de desenvolvimento. A vivenda deverá ser composta por diversas unidades facilmente “ligadas” e  “desligadas” umas das outras. E o que é que isto quer dizer ao certo? É que, se o casal se separar, também a vivenda se separa em duas.

As divisões que serão compartilhadas serão a cozinha e a casa de banho. Porém, também estas serão construídas de modo a que a sua separação em componentes individuais seja fácil.

A maior dificuldade de Xander den Duijn tem sido a criação de uma aparência una, numa casa que poderá ser dividida em unidades autónomas.

Os materiais usados na construção da casa são sobretudo a fibra de carbono e madeira semitransparente – materiais leves. Esta vivenda flexível poderá ser instalada em terra ou na água, tendo como inspiração os vários canais e casas flutuantes existentes na capital holandesa.

Este projeto tem como principais destinatários países com altas taxas de divórcio – Portugal, Bélgica e Hungria. Para além disso, a vivenda pode servir os propósitos de famílias com necessidades modernas.

Sabe mais sobre este projeto aqui.