Depois de uma temporada com uma direção indefinida e histórias pouco cativantes, Once Upon a Time está de volta com a sua sexta instalação e desde já os heróis se deparam com mais do que um inimigo. O novo episódio, intitulado The Savior, estreou no canal ABC no dia 25 de setembro. Em Portugal, as histórias encantadas de Era Uma Vez são exibidas no AXN White.

Em Agrabah, há muitos anos, somos apresentados a Jafar (Oded Fehr), que parece estar à procura de vingança contra Aladdin (Deniz Akdeniz), também conhecido como o Salvador dessa mesma terra. Este início dá-nos duas promessas interessantes: uma exploração da mitologia do Salvador nesta série – e o que implica carregar esse título – e apresentação de uma das mais famosas histórias da Disney. Diga-se de passagem que isto é algo que me alegra pessoalmente porque já chega de aturar os dramas da Branca de Neve e companhia.

Em Storybrooke, os heróis deparam-se com a chegada dos residentes da Terra das Histórias Inacabadas, convocados por Mr. Hyde (Sam Witwer). Este consegue, por instantes, ser uma ameaça, mas Dr. Jekyll (Hank Harris) ajuda os protagonistas a imobilizá-lo e a prendê-lo, o que significa que este assunto, por enquanto, está resolvido. Contudo, continuo a achar que o conto de Hyde e Jekyll não é famoso o suficiente nem tem um apelo gritante para ter este nível de relevância na série.Once Upon a Time

Regina (Lana Parrilla) parece estar a dar-se lindamente sem a sua metade maligna e decide convidar Zelena (Rebecca Mader) para viver consigo, apercebendo-se que esta perdeu a pena da flecha que o filho de Robin Hood (Sean Maguire) lhe havia oferecido. Numa reviravolta um pouco absurda, Regina culpa Zelena pela morte de Robin, o que faz com que as irmãs se voltem a separar antes sequer de terem tempo de criar algum tipo de relação. E eu até estava ansioso para ver esta dupla ganhar finalmente alguma redenção.

As coisas também não estão a correr às mil maravilhas para Emma (Jennifer Morrison), quando esta começa a ter visões perturbadoras. Ao encontrar uma jovem que se auto-denomina de Oráculo (Jordyn Ashley Olson), Emma vê o seu futuro: uma luta de espadas na qual acaba morta.

A Oráculo diz-lhe que tal destino é incontornável, o que torna a situação um pouco alarmante e nos faz questionar o que poderia eventualmente causar a morte da famosa Salvadora. Claro que este não é o género de série onde a personagem principal poderia efetivamente morrer, mas parece ser uma jogada interessante.Once Upon a Time

Gold (Robert Carlyle) decide viajar até ao Templo de Morpheus e usar as suas areias mágicas de modo a entrar no mundo dos sonhos de Belle (Emilie de Ravin) e tentar acordá-la da sua maldição. O vilão dá por si em forma de Rumplestiltskin no seu antigo castelo, apercebendo-se que Belle ainda o vê como uma besta e está presa nessa realidade. Isto é uma metáfora perfeita para a relação destes dois, já que eles andam há cinco temporadas a tentar curar uma relação que parece nunca dar certo.

Rumple tem uma hora para cumprir a missão e acaba por falhar. Morpheus (Giles Matthey) entra em cena e anuncia que é o filho ainda por nascer do casal e, como tal, Belle já nutre um amor incondicional por ele. Não vale a pena questionar as árvores genealógicas e as linhas temporais desta série, mas o que importa é que Morpheus acaba por beijar Belle e esta acorda da sua maldição. Adiante.Once Upon a Time

O episódio termina com as personagens da Terra das Histórias Inacabadas reunidas no restaurante Granny’s, aceitando a comida e o refúgio que os nossos heróis lhes ofereceram. Ficámos sem perceber se alguma dessas personagens terá relevância ou representa algum perigo para esta temporada. O momento pelo qual todos esperámos chega quando Zelena regressa a casa e dá de caras com a Rainha Má – isto é, a outra metade de Regina que ela pensa que matou.

Este episódio de Once Upon a Time esteve muito longe de atingir o brilho que qualquer início de temporada deve ter. Emma esgotou as suas oportunidades ao ser super desinteressante enquanto Sinistra na temporada anterior e sinceramente não me importaria assim tanto se ela morresse agora.

A história de Morpheus estava completamente deslocada de tudo o resto e nem vale a pena falar naqueles visuais baratos. As novidades relativas a Agrabah e à Rainha Má são as únicas que realmente podem tornar esta temporada interessante, tendo tido, infelizmente, um tempo de antena muito reduzido nesta estreia.

NOTA: 5/10