RTP1, RTP3, RTP2, Administração da RTP,
Fotografia: Raquel Santos Silva

Administração da RTP defende-se das acusações de Luís Marinho

A administração da RTP enviou esta sexta-feira um comunicado aos trabalhadores da empresa, tendo em vista o esclarecimento das acusações feitas por Luís Marinho

O antigo funcionário da estação pública apontou contratações irregulares – de profissionais e conteúdos – por parte de Nuno Artur Silva e Daniel Deusdado às suas produtoras, a Produções Fictícias e a Farol de Ideias.

Na nota interna, que nunca refere o nome de Marinho, é explicado que “desde que Nuno Artur Silva começou a exercer o cargo de administrador da RTP não houve nenhum contrato, venda de programa, ou conteúdo das Produções Fictícias à RTP“.

O documento, ao qual o Espalha-Factos teve acesso, sublinha ainda que este administrador deixou de exercer funções nas Produções Fictícias ainda em fase anterior à sua entrada para a empresa pública.

Os responsáveis pelo serviço público de media sublinham ainda que as duas entidades reguladoras responsáveis pela supervisão do processo, a ERC e a CRESAP, aprovaram a contratação da nova administração em abril de 2015.

Humor sempre foi “uma área a que as duas empresas deram atenção”

 

Quanto aos profissionais ligados às Produções Fictícias que, entretanto, têm sido contratados pela estação do Estado, a administração também assegura não haver qualquer privilégio ou promiscuidade.

Em relação às dúvidas sobre a contratação de profissionais das Produções Fictícias para a RTP, importa esclarecer que a RTP apostou desde sempre em conteúdos de humor (…) contratando largas dezenas de profissionais para projetos específicos para a rádio e a televisão nos últimos anos. Alguns deles colaboraram com as PF, como freelancers, antes e depois de terem colaborado com a RTP, facto absolutamente natural, dado o humor ser uma área a que as duas empresas deram particular atenção.”, certifica o esclarecimento.

Sobre a Farol de Ideias, produtora da qual é sócia a esposa de Daniel Deusdado, é informado que a estação pública “não contratou nem contratará nenhum conteúdo novo à produtora “Farol de Ideias/Biocastelo” (…) continuando a emitir apenas o programa Biosfera, em antena na RTP2 desde 2005 e autorizado pela ERC“.

São ainda dadas garantias pela administração de que Deusdado, diretor de programas da RTP1, não tem privilegiado a produtora da qual a sua mulher ainda é sócia.

Mais Artigos
Charles Sykes / Invision / AP
Adam Samberg revolta-se com membros da Academia que estão contra regras de inclusão