Lisboa vs Porto

Lisboa vs Porto: Livrarias

Setembro está à porta e talvez já não sintas aquele calorzinho agradável de Verão e a tua tendência comece a ser a de frequentar espaços fechados. Nada melhor para te ajudar a viajar na tua imaginação do que um bom livro. A pensar no prazer da leitura o Espalha-Factos  juntou para ti uma lista com algumas das livrarias mais emblemáticas da Cidade das Sete Colinas e da Invicta.

Lisboa

Livraria Barata

Situada no número 11 da Avenida de Roma, completa para o ano os seus 60 anos. Apesar de já ter tido mais de 10 lojas espalhadas por Lisboa, hoje funciona apenas num único espaço, com dois andares.

View this post on Instagram

Fav neighbourhood bookstore

A post shared by Filipe Amoroso (@_flip_) on

No primeiro andar, vendem-se jornais, livros técnicos, romances para adultos, havendo ainda a hipótese de beber um café. No andar de baixo situa-se a zona de papelaria, material técnico, livros escolares e livros para crianças.

View this post on Instagram

I'm in heaven. #books #vacancesnacapital

A post shared by Pedro de Castro (@pedro.decastro) on

Fundada por António Barata, tornou-se conhecida, nos tempos anteriores à Revolução de Abril, por vender livros proibidos pelo regime. Hoje é gerida pela filha e é uma das livrarias associadas ao grupo Leya.

Livraria Buchholz

Outra livraria com história é a Buchholz. Já teve outras casas antes, no Chiado e na Avenida da Liberdade, ao longo dos seus (mais de) 70 anos de atividade, mas instalou-se em 1965 na Rua Duque de Palmela. leya-grupo-editorial-1_xl Foi fundada pelo livreiro alemão e judeu, Karl Buchholz, que se instalou em Lisboa depois de ter visto as suas livrarias alemãs arderem nos bombardeamentos. Vendia autores proibidos pelo regime nazi, como Thomas Mann ou Pablo Picasso. Durante os anos 60, o espaço na capital portuguesa foi o quartel-general dos artistas e dos teóricos. No espaço da sua livraria reuniram-se nomes como José Escada, Eduardo Nery, Mário Soares, António Lobo Antunes ou Vasco Graça Moura. Depois de um processo de insolvência, em 2009, foi reaberta pela Coimbra Editores e, posteriormente, passou para as mãos do grupo Leya.

Bertrand do Chiado

Não podíamos falar de livrarias em Lisboa sem referir aquela que foi considerada em 2011 pelo Guiness Book como a livraria mais antiga do mundo em funcionamento. Localizada na Rua Garret no Chiado, a livraria está aberta desde 1732 e desde então já recebeu grandes nomes como Eça de Queirós ou Alexandre Herculano, muitas vezes para conversar ou participar em tertúlias. LivrariaBertrand2 O espaço está marcado pelo passado, havendo até na primeira sala o Cantinho do Aquilino, em homenagem ao escritor Aquilino Ribeiro que ali passava o seu tempo. São de facto muitas as histórias que se contam sobre a Livraria Bertrand do Chiado, inclusive a do suicídio de José Fontana, fundador da Associação Fraternidade Operária, que mais tarde viria a tornar-se no Partido Socialista.

https://www.instagram.com/p/BJx-2P2BFwI/?taken-at=238366197

 

A livraria nasceu na Rua do Loreto Direito, mas após o terramoto de 1755 teve de ser transferida para junto da Capela da Nossa Senhora das Necessidades, tendo voltado de vez ao Chiado em 1733. A livraria foi desde o começo espaço de encontro entre autores e leitores, onde hoje em dia uma enorme equipa trabalha para ter ao dispor os livros mais difíceis de encontrar. A Bertrand do Chiado está aberta todos os dias e fica localizada no nº 73 da Rua Garret.

Porto

Livraria Lello

A história desta livraria remonta os inícios do século XX. José e António Lello, os dois irmãos fundadores, abriram-na em 1906, depois de se terem juntado em sociedade. Contudo, antes mesmo desta união entre ambos, já José Lello havia tido um negócio com o seu cunhado, numa livraria que havia sido aberta em 1881.

No entanto, o cunhado teria vindo a falecer uns anos mais tarde, pelo que José se junta ao irmão, que entretanto havia chegado ao Porto, e ambos estabeleceram-se na Rua do Almada. A paixão que ambos partilhavam pelos livros e pela cultura era espelhada pela enorme atividade editorial, com edições especiais sendo criadas em conjunto com a colaboração de artistas plásticos, ilustradores e pintores.

Foi em 1884 que José comprou a Livraria Chardron aos seus donos, juntamente com todo o espólio, na Rua das Carmelitas. O edifício seria então remodelado pela visão do engenheiro Francisco Xavier Esteves, tornando-se no espaço que se manteve até aos dias de hoje. E hoje em dia, livraria é considerada como um dos mais belos pontos da cidade do Porto, sendo de visita obrigatória para todos os que vão ao Porto.

O prestígio da Livraria Lello levou-a a diversos galardões e reconhecimentos de pessoas e entidades do estrangeiro. Em 2008, o The Guardian considerou-a como a terceira livraria mais bela do mundo. A CNN colocou-a mesmo no topo das mais bonitas, em 2014, e a própria revista Time considerou a Lello como uma das 15 livrarias mais interessantes do mundo, salientando o valor histórico e artístico.

É também o seu sumptuoso interior que atrai inúmeros visitantes por ano. A sua escadaria interior serviu até mesmo de inspiração para a descrição que a escritora J. K. Rowling faz das escadarias da escola de Hogwarts, nos livros de Harry Potter.

Livraria Flâneur

Situada na Rua Ribeiro de Sousa, a Livraria Flâneur partiu da ideia de Cátia Monteiro e Arnaldo Vila Pouca, de 27 e 38 anos, respetivamente. Ambos trabalharam na Bertrand do Shopping Bom Sucesso, onde conseguiram adquirir um bom número de clientes e amigos, que iriam mais tarde tornar-se nos membros essenciais à criação da Flâneur.

View this post on Instagram

#livrariaflâneur

A post shared by Livraria Flâneur (@livrariaflaneur) on

Tendo começado como uma página de Facebook, a Flâneur era também uma modesta livraria ambulante a bordo de uma bicicleta, permitindo assim a angariação de mais clientes. Quando em setembro de 2015 a Feira do Livro do Porto arrancou, a presença de um stand foi fulcral no que toca a divulgação e angariação de militantes para a campanha Amigos da Flâneur, que permitiria um contributo que facilitasse a abertura do novo espaço. A 26 de setembro de 2015, a Flâneur abriria as portas.

Com já quase um ano de existência, a livraria é considerada generalista, com uma boa eleção de livros à disposição de todos os amantes de literatura. Filosofia, crítica cultural, arte e literatura infantil são alguns dos géneros mais destacados no espaço. Para além destas seleções, a livraria dispõe também de diversos eventos como noites de poesia, conversas com escritores e ensaístas, quizzes literários, entre outras atividades. Dispõe também de cafetaria, onde servem bruches temáticos aos fins de semana.

Confraria Vermelha Livraria de Mulheres

logo_8 Contando já com um ano de existência, a Confraria Vermelha, situada na Rua dos Bragas, trata-se de um projeto feminista levado a cabo como um projeto de Aida Soares, de 34 anos de idade. A própria, em declarações ao P3, define o espaço como sendo “um espaço onde as mulheres se podem encontrar e conviver”.

A criadora, inspirada por outras livrarias feministas noutros países lançou uma campanha de crowdfunding na qual lucrou cerca de 10 mil euros que a ajudaram a avançar com a sua ideia.

https://www.instagram.com/p/BIsNksoBB9b/?taken-at=1019496300

Os livros que se podem encontrar têm temas e estruturas variadas, podendo abordar temas mais clássicos (arte, filosofia, política ou sociologia) ou até um pouco sobre teoria queer (teoria segundo a qual a orientação e identidade sexual ou de género das pessoas são o resultado de um construção social). O espaço conta com uma biblioteca com livros usados, assim como um grupo de leitura (denominado As leitoras de Pandora) cujas atividades são mensais.

Além dos livros a Confraria Vermelha promova eventos tais como workshops focados na saúde e sexualidade feminina, exibição de filmes, lançamentos de livros, e tertúlias.

Texto da autoria das Alfacinhas Inês Chaíça e Serenela Moreira e dos Tripeiros Sara Sampaio Tiago Costa

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
sarah michelle gellar
Sarah Michelle Gellar apresenta ‘Buffy’ aos filhos