cartasdaguerra_04

Cartas da Guerra: Viagem ao fim da noite

Durante o serviço militar que prestou na guerra colonial, António Lobo Antunes escreveu apaixonadas cartas à sua esposa, nas quais já se descobria a prosa emotiva, de inclinações cruéis, que lhe é tão característica. Qualquer fiel transcrição dessa correspondência para o grande ecrã resultaria, à partida, num projeto minoritário, porque um filme falante como Cartas da Guerra é de uma rara exigência que certamente alienará quem nele procure um relato “posto em cena”, inscrito numa narrativa que reduza a palavra às imagens.

A solução achada por Ivo M. Ferreira parece-nos muito mais corajosa – consiste na justaposição dos dois discursos, o visível e o legível, não se dissipando o primeiro no segundo. O filme resiste a acomodar-se em funções ilustrativas. Estabelece antes um diálogo entre a voz de Lobo Antunes (mediada pela de Margarida Vila-Nova, que lê essas cartas reveladoras, surpreendentemente íntimas) e as paisagens sobre as quais ela se faz ouvir, sem que haja uma fácil concordância entre o que se ouve e o que se vê. São várias as vezes em que a narração aponta numa direção inesperada, senão mesmo contrária à que nos é sugerida pela ação “vista”, encenada. Enquanto o texto se declama, recordações de outros soldados, ficcionais ou não, cruzam-se com as de António, e contribuem para completar esta visão panorâmica da guerra do ultramar, aqui retratada como uma longa e duríssima noite de sobressaltos e fantasmas.

Apesar de nos falar de um momento histórico desta gravidade, Cartas da Guerra ousa ser romântico, descobrindo uma paixão inabalável nas palavras ternas, por vezes desencantadas, que o médico-escritor dirige à sua mulher. É um erotismo religioso, assente na possibilidade da (re)ligação dos dois amantes, e cabe no filme sem que por isso este perca a sua ferocidade – encontramos nele uma secura implacável que nos lembra Pedro Costa ou mesmo Céline, cuja cáustica crítica dos mais profundos defeitos humanos é filtrada pela poesia “em carne viva” de Lobo Antunes.

Todavia, para que a angústia do texto transparecesse por completo, Cartas da Guerra deveria ser um pouco menos fotogénico e livrar-se de poses e citações (na cena em que os soldados são visitados por um grupo de dançarinas, o “apocalipse” de Coppola vem imediatamente à memória). Quando há bons atores, boas ideias e uma execução competente das mesmas, como é o caso, falta alguma sujidade, menos cautela, menos simetria, menos enquadramentos que pareçam trabalhados até ao mais ínfimo dos pormenores. É esse academismo formal que impede o filme de Ivo M. Ferreira de cumprir todo o seu potencial de comoção, disciplinando-se em demasia.

Ficamos, porém, com a certeza de que Cartas da Guerra é uma interessante e louvável incursão num território ainda desconfortável para o cinema português – o de uma História recente que pede para ser lamentada ou reivindicada, mas que não nos permite a irresponsabilidade da ignorância.

 

7/10

 

Ficha técnica
Título: Cartas da Guerra
Realizador: Ivo M. Ferreira
Argumento: Ivo M. Ferreira, António Lobo Antunes (D’este viver aqui neste papel descripto: Cartas da guerra)
Elenco: Miguel Nunes, Margarida Vila-Nova, Ricardo Pereira
Género: Drama biográfico/histórico
Duração: 105 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cirque du Soleil
Cirque du Soleil avança com pedido de insolvência e despede 3.500 funcionários