We Trust

Até já, We Trust!

Resta-nos agradecer-vos por tudo. A vocês público, agentes culturais, jornalistas que, ao dizerem bem ou mal foram-nos fazendo crescer e aprender que no fundo é o mais importante.

Depois de cinco anos de trabalho, o projeto We Trust anuncia paragem por tempo indefinido. Nestes anos de estrada surgiram os discos These New CountriesEveryday Heroes e There Must Be A Place, o último em colaboração com os Best Youth.

A viagem foi feita de norte a sul, pisando inúmeros palcos portugueses: MEO Marés Vivas, NOS Alive, NOS Primavera Sound, Festival do Crato, Expofacic e, mais recentemente, o Vodafone Paredes de Coura, ontem à noite.

Mas os We Trust foram os heróis de que Portugal precisou mas não aqueles que mereceu nestes anos – permitam-nos a mudança à mítica frase do Dark Knight do Nolan. As mensagens de otimismo faziam falta. Fazem falta. A geração post-punk ainda tem muito de post-depression. Vê-se a tendência para o negativismo. Dizemos mais vezes “não” do que “sim”. E é por isto que os We Trust foram uma pequena luz durante estes cinco anos. É por isto que foram tão importantes.

André Tentúgal, mentor/criador/headmaster da banda, começou como o tipo que tocava nas bandas dos outros. Além disso fazia vídeos para vários artistas do contexto musical português.

Um dia, não podendo a Meifumado – editora com que trabalhou desde sempre – pagar-lhe a realização de um vídeo para os Mind Da Gap, decidiu fazer uma troca: o vídeo por horas de estúdio. E assim foi. Em 2011, as salas de cinema, as televisões, as rádios encheram-nos os ouvidos com Time (Better Not Stop). Meio mundo conhecia-os sem os conhecer. A partir daí foi crescendo, melhorando e o resultado culminou em dois álbuns e um terceiro juntamente com os Best Youth. Isto em apenas cinco anos.

A despedida – que prometem não ser uma despedida – chegou e é tempo de os guardarmos na memória. Até, We Trust, até.

“E é assim.
Fechamos ontem no palco principal do festival Vodafone Paredes de Coura um ciclo. Impossível fazê-lo de uma forma melhor.
Foram cinco anos de muitas viagens, muitas novas amizades, de sorrisos e de alguns choros. Honestamente nunca imaginamos que de uma canção se construísse algo tão grande e poderoso.
Está na hora de parar e digerir tudo isto.
Não é um adeus, é um “até”.
Resta-nos agradecer-vos por tudo. A vocês público, agentes culturais, jornalistas que, ao dizerem bem ou mal foram-nos fazendo crescer e aprender que no fundo é o mais importante.
Um abraço especial também a toda a equipa que foi fazendo parte deste projecto ao longo deste tempo. A quem acreditou.
E já sabem, sejam felizes!

Até <3
PS: Os vários membros de WE TRUST estão com novos projectos na manga e em breve daremos novidades sobre isso.”

Mais Artigos
Daniela Ruah
Daniela Ruah estreia-se como realizadora em ‘Investigação Criminal: Los Angeles’