Finalmente começamos a ter algumas respostas! Muito à moda de Pretty Little Liars, o novo vilão aparentemente tem assuntos de família por resolver… Nomeadamente com os DiLaurentis (para não variar). O novo episódio, intitulado Original G’A’ngsters, estreou no canal Freeform no dia 9 de agosto. Em Portugal, as aventuras das Pequenas Mentirosas sobem ao palco do AXN White.

O episódio começa com a notícia de que Sara Harvey (Dre Davis) foi assassinada, deixando apenas Jenna (Tammin Sursok) devastada, porque o resto das pessoas (incluindo eu) rezaram para que este dia chegasse.

Por falar em Jenna, somos prendados com um flashback onde ela tenta beijar o irmão emprestado, Toby (Keegan Allen), sendo rejeitada e desaparecendo então de Rosewood.

Como a maioria das personagens nesta série, Jenna apareceu só para causar barulho e pouco mais. Ainda assim, sinto alguma pena da rapariga. Para além de ser cega, ela recebe todo o género de acusações feias, mostrando justificações inocentes para os seus atos. Deixem a jovem em paz, acredito que ela já tenha sofrido o suficiente para duas vidas.maxresdefault

Do outro lado da cidade, Jason (Drew Van Acker) está de volta! A alegria é momentânea, já que o mais velho dos DiLaurentis faz questão de causar mau ambiente com Mary Drake (Andrea Parker), exigindo saber as suas verdadeiras intenções.

Mary não se deixa intimidar e conta a verdade: foi ela própria que cedeu Charles/Charlotte aos DiLaurentis e retomou contato com a sua irmã ao saber que a sua filha morrera. Para além disso, a gémea Jessica tinha um pequeno alçapão secreto na casa da tia.

Embora eu esteja contente por receber respostas, esta temporada tem sido completamente o oposto daquilo que aprendemos quando Charlotte revelou ser A. Afinal, ela sabia quem era a mãe biológica? Porque é que Mary decidiu dar o bebé à irmã? E porque é que esperou tantos anos para voltar a aparecer em cena? Quanto mais descobrimos, sinto que há cada vez mais ainda por descobrir. Adiante!

Aria (Lucy Hale) e Ezra (Ian Harding) começam a preparar o casamento e este sugere que ambos escapem para a Tuscânia e façam a cerimónia lá. Uma decisão, no mínimo, repentina e inesperada, mas ambos decidem avançar com o plano. O problema? A polícia aparece à porta da casa de Ezra, informando-o de que a sua ex-namorada, Nicole (Rebecca Breeds), aparentemente está viva. Não seria um casamento a sério se não houvesse uma ex-namorada para complicar o assunto, certo?

Enquanto isso, a mãe de Emily (Shay Mitchell) faz anos e esta decide realizar um jantar para ambas no Radley. A cerimónia é interrompida por um grupo de raparigas numa despedida de solteira e Pam (Nia Peeples) rapidamente decide juntar-se à festa. Isto é o que acontece quando querem trazer à força uma atriz de volta e quando já não há nada sobre Emily para contar: vinte minutos de uma festa barulhenta, aborrecida e que em nada adiantou à história.

Enquanto isso, Hanna (Ashley Benson) e Spencer (Troian Bellisario), como sempre, são as que fazem o trabalho de campo, descobrindo que Noel Khan (Brant Daugherty) roubou de Radley o ficheiro sobre Mary. Isto torna-se um pouco irrelevante quando o peso das vidas pessoais das amigas é muito mais importante nesta altura.

Hanna decide contar a Caleb que terminou a sua relação com Jordan (David Coussins), reacendendo claramente a chama que havia entre ambos. Acho que já disse o suficiente acerca deste assunto.

Toby decide confessar a Spencer que a casa que está a construir era originalmente para ela, mas, como águas passadas não movem moinhos, está agora preparado para começar uma família com Yvonne (Kara Royster). Ver a Spencer lavada em lágrimas pela milésima vez só confirma a minha teoria de que ela é que tem sofrido mais no meio de tudo isto e que as capacidades de Bellisario fazem jus ao desafio.

As protagonistas decidem investigar o celeiro de Jessica e, no meio de inúmeras fotografias e papéis, descobrem que Mary Drake tivera um segundo bebé depois de Charlotte. O que significa que este irmão ou irmã é provavelmente A.D. à procura de vingança.

Pelos vistos, ser um psicopata anónimo é algo que corre na família. Confesso que esta foi uma jogada inteligente e que me agradou, já que nenhum dos suspeitos até agora parecia ter motivos suficientes para ser o novo vilão. Mais uma vez, Pretty Little Liars seguiu o percurso familiar, começando a construir o caminho para a grande revelação, especialmente se tivermos em conta que esta será provavelmente a última temporada da série.

NOTA: 8/10