Foi debaixo de um tórrido sol e de um ambiente extremamente abafado que um dos mais conhecidos e apreciados eventos de Portugal aconteceu. Uma viagem ao passado, ao tempo do Rei D. Dinis e da Rainha Isabel de Aragão e ao Portugal dos finais do século XIII. 

A Viagem Medieval em Terra de Santa Maria da Feira foi uma experiência única, no qual o passado e o presente se misturaram, e os seus visitantes têm à sua disposição uma miríade de atividades e eventos que os levam a descobrir mais de perto um Portugal medieval, mas não menos interessante.

Já desde as primeiras horas que pudemos encontrar o centro de Santa Maria da Feira já com bastante movimento, embora o calor abrasador levasse grande parte dos visitantes a procurar os lugares mais frescos. No entanto, o movimento nas ruas era constante, com inúmeras pessoas visitando as diversas barracas com os mais variados artigos medievais e que aludem ao imaginário fantástico, como coroas de flores, estatuetas de fadas e dragões, espadas e escudos de madeira, vestuário da época, entre muitos outros artigos.

Mas não é só de vendas que a Viagem Medieval é feita. A animação é abundante ao longo de todo o evento, com as mais variadas surpresas sujeitas a aparecer em cada esquina. Ao longo das ruas, é possível encontrar todo o tipo de animadores, desde músicos a saltimbancos e atores que contam histórias de outros tempos, levando mesmo o público a interagir com tão peculiares personagens.

Mais adiante, saindo da movimentada zona de venda de artigos, é possível entrar em contacto com diferentes atividades. Num espaço reservado aos animais de quinta, os visitantes poderão apreciar coelhos, ovelhas, cabras, porcos, patos, gansos, cães de pastorício, entre outros, podendo mesmo acaricia-los. As aves de rapina são também comuns ao longo do espaço, com corujas e falcões fazendo pose nos seus poleiros, como que esperando ser os modelos perfeitos das inúmeras máquinas fotográficas que tentam captar os seus melhores ângulos.

Nesse dia quem visitasse o Castelo de Santa Maria da Feira iria entrar numa verdadeira viagem no tempo, na qual as tecelãs fiavam, os homens praticavam tiro ao alvo e a corte não saia de junto de suas Graças, o Rei D. Dinis e a Rainha Isabel de Aragão. Além da vista e altura impressionantes que o exterior do castelo proporcionavam, o interior aludia ao passado quer pela masmorra sombria, quer pelos súbditos que nos mostravam a rotina de outros tempos.

Não há dúvida de que um dos pontos altos do evento passou pelo Cortejo de Chegada do Rei D. Dinis e da Rainha D. Isabel, no qual se juntaram muitas personagens que os viajantes poderiam ir encontrando ao passear pelo espaço. Nobreza, Clero e Povo uniram-se num desfile marcado pela música, dança, animação e retratos sociais da época.

A história tem o seu peso neste evento e através de várias peças de teatro ao longo desta viagem os visitantes puderam apreciar algumas páginas dessa história de que é feito Portugal. No caso da nossa viagem destacamos Dinis e Isabel (um olhar mais aprofundado sobre a relação dos monarcas) e  O Festim (no qual duas hostes rivais invadem o festim de D. Dinis).

Fotografias de Daniela Gandra e Sara Sampaio.

Texto de Sara Sampaio e Tiago Costa.