Depois de um começo minimamente satisfatório, a sétima temporada de Pretty Little Liars parece já estar a ir por água abaixo e este segundo episódio foi, no mínimo, confuso. Bedlam estreou no canal Freeform no dia 28 de junho. Em Portugal, as aventuras das Pequenas Mentirosas são exibidas no AXN White.

Pegando no final do episódio passado, encontramos Hanna (Ashley Benson) no carro com Mary Drake (Andrea Parker). Esta fala novamente na sua história familiar atribulada e na sua estadia em Radley, antes de deixar Hanna em segurança de volta ao seu grupo.

Devo dizer que Mary está a ser uma personagem mais cativante do que eu pensava. Embora nos tenha sido introduzida como uma vilã, parece não ter nada a esconder. Resta saber quais as suas verdadeiras intenções.

Após receber uma chamada desesperada por parte de Alison (Sasha Pieterse), Emily (Shay Mitchell) dirige-se ao hospício e descobre que a amiga agora só pode ser visitada por familiares. A situação agrava-se quando as protagonistas recebem uma mensagem do novo inimigo (A.D.) a dizr “Agora ela é a minha”. As suspeitas dirigem-se assim para Rollins (Huw Collins), que parece estar a fazer de tudo para manter Ali presa.

Ao contrário de Mary Drake, Rollins parece não saber bem o que anda a fazer. No final da sexta temporada de Pretty Little Liars, ambos foram introduzidos como uma dupla em busca do assassino de Charlotte (Vanessa Ray). Agora, parecem estar em campos completamente diferentes, com intenções pouco claras e métodos pouco convencionais.

Para além disso, há a questão do grande vilão A.D., que parece simplesmente querer atormentar as raparigas sem razão – e ainda nem sabemos se ele tem alguma ligação com Mary ou Rollins. Torna-se difícil concentrarmo-nos num só vilão quando vêm logo três ao barulho e nenhum deles é minimamente convincente.Pretty Little Liars

Enquanto isso, as vidas amorosas das protagonistas também não estão grande coisa. Hanna decide levar o seu noivo, Jordan (David Coussins), ao bar onde eles se conheceram e descobre que tal sítio já não existe. Isto parece despertar o sentimento de que a relação entre ambos vai de mal a pior e Hanna decide romper o noivado.

Todos sabemos que isto é uma desculpa mal construída para voltar para Caleb (Tyler Blackburn) o mais depressa possível e eu tenho sentimentos mistos quanto a isto. Enfim. Número de separações no episódio: uma.

Também Aria (Lucy Hale) está confusa. O seu namorado, Liam (Roberto Aguire), continua a trabalhar no livro com ela e Ezra (Ian Harding), mas a protagonista percebe que o seu coração está no lugar errado e decide terminar a relação.

Aria e Ezra têm sido inseparáveis durante sete temporadas de Pretty Little Liars, mesmo quando não estavam efetivamente juntos. O que é demais enjoa. O casal que outrora fora a grande sensação da série agora está simplesmente a tornar-se repetitivo. Número de separações no episódio: duas.

Spencer (Troian Bellisario) e Caleb também estão em chão tremido. Caleb tem mostrado uma preocupação extrema por Hanna e negligenciado os sentimentos da sua namorada. Quando Spencer é despedida, embebeda-se (quem nunca?) e confronta Caleb acerca da situação. Este parece não ter uma resposta concreta a dar e refere-se a ambos como algo do passado.Pretty Little Liars

Já disse antes e volto a repetir. Na minha opinião, Caleb e Spencer são um dos casais mais interessantes que a série alguma vez criou. Ambos são génios, dedicados e normalmente os que tomam as decisões corretas no meio de gente que parece não aprender com os erros.

A química entre ambos seria inevitável. Num mundo cor-de-rosa, todos sabemos que Hanna e Caleb acabarão por ficar um com o outro, mas fico triste ao saber que isto é à custa do sofrimento de Spencer, especialmente por achar que ela é a candidata perfeita para o rapaz. Posto isto, ficamos sem perceber se o número de separações no episódio passa para três ou não.

À medida que Hanna aceita uma parceria multimilionária com Lucas (Brendan Robinson) – por razão absolutamente nenhuma -, Ali é drogada no hospício e transportada para uma sala de cirurgia, terminando então o episódio.

Eu percebo que, de vez em quando, seja necessário concentrar a atenção nas vidas pessoais das personagens, especialmente quais os seus (des)amores têm dado tanto que falar. Contudo, este episódio de Pretty Little Liars foi apenas mais um para apontar dedos e em nada desenvolveu a história. Todas estas separações até poderiam ser interessantes se não fossem tão previsíveis.

NOTA: 3/10