hand-hold-reach-place-outstretched-arms-love
Photo via Visualhunt

‘Dedicação, Palavra e Honra’: romances de outros tempos

Dedicação, Palavra e Honra é a mais recente obra de José Vieira. “Numa época em que tudo é descartável, é preciso relembrar romances de outros tempos.” Os protagonistas são exemplo de um casal do tempo em que tudo durava uma vida, um tempo de dedicação, palavra e honra.

Estranhas Coincidências, publicado em 2014 pela Chiado Editora, foi o primeiro livro de José Vieira, pseudónimo de uma jovem nascida no Portugal rural no final da década de 80. Dedicação, Palavra e Honra é o seu primeiro romance, uma edição d’autor, disponível em formato ebook no Google e na Amazon.

Nas venturas e desventuras, fé e amor

A ação é vagamente localizada numa aldeia portuguesa, numa época de censura, em que a política e a situação da nação se revelam tabuFrancisco Joana, alma gémea um do outro, são o casal protagonista que, perante uma terra infértil, se confrontam com a única decisão a tomar: a emigração.

Após a partida de Francisco para a Venezuela, o leitor é convidado a mergulhar no quotidiano não só de Joana, como de um lugar distante que só conhecemos dos livros de História. O provérbio “pequenos lugares, grandes infernos” nunca fez tanto sentido. Observa-se uma sociedade antiquada, onde a moral e os bons costumes são a palavra de ordem, ainda que o pecado reine em segredo.

“Para uns, o paraíso na terra, para outros o perfeito dos infernos e ainda havia quem, sabendo dos inúmeros inconvenientes que aquele lugarejo detinha, tivesse consciência de que por esse mundo fora existiam infernos muito piores do que aquele.”

Com linearidade, Vieira foca-se na aldeia e nos seus habitantes e pouco nos conta do que se desenrola além mar. A perspetiva de Francisco chega-nos através das cartas que Joana recebe. O enfoque encontra-se, sobretudo, na dor dos que ficaram. Mães, filhos e restantes familiares que vêem passar os dias, os meses e as estações.

Dedicação, Palavra e Honra fala-nos da importância da fé e do amor, tal como enfatizavam os primeiros contos de Vieira. De como as vicissitudes da vida podem ser ultrapassadas através de valores como a fidelidade. De um tempo em que desistir não era opção. 

Nota: 6/10

 

Mais Artigos
Karl Marx
Karl Marx. Quase 200 anos depois, o marxismo ainda faz sentido?