EF_SamuelUria (7)
Joana Mendes

A Carga de Música de Samuel Úria

Numa semana inundada de sol e calor, o dia escolhido para o concerto de Samuel Úria, na Invicta, anoiteceu do mesmo modo que nasceu: chuvoso. No entanto, o cinzento do céu não foi, de todo, presságio da noite memorável (no mínimo) que a Casa da Música viu acontecer dentro das suas paredes, neste dia cinco de maio.

Se a Sala 2 da Casa da Música tiver lotação, sem dúvida que está mais do que esgotada. No palco, estão pendurados alguns quadros de pop art; no público, alguns comentam o novo álbum ali apresentado, Carga de Ombro. Os lugares sentados, dispostos imediatamente em frente ao palco, estão já ocupados e o restante espaço em pé ocupado está. Aparentemente, de fãs de boa música está o Porto cheio: são eles quem recebe Samuel Úria com palmas eufóricas assim que se apagam as luzes da plateia e se acendem as do palco, deixando ver uma banda já pronta.

Dou-me Corda, a primeira faixa do novo álbum, é também o motor de arranque deste concerto. Pouco tardam a chegar as primeiras de muitas palavras que Úria trocaria, com o seu público, durante toda a noite. “Que prazer estar aqui e ver esta sala tão cheia. Eu gosto muito do Porto e gostava de ter a chave da cidade, mas da Casa da Música, aqui tão bem implementada…” e não precisa de acabar a frase, porque todos os portuenses – todos os portugueses, na verdade – reconhecem o potencial da sala de espetáculos. Agora, entramos numa espiral de canções antigas, como Espalha Brasas, e mais recentes, como Aeromoço, sendo esta dedicada a Bruno Morgado.

Tomara a muitos artistas terem, em palco, a presença que tão bem caracteriza Samuel Úria e que o leva a interagir com o público no intervalo de todas as canções. Não se poupam agradecimentos – à plateia, à banda, ao coro, aos técnicos que tornam tudo possível – e por entre piadas amigáveis, agradece ao Porto por “aplaudir a fanfarronice”. Como não pensar, por instantes, que estamos em casa com amigos? A viagem pelo antigo e pelo novo prossegue, desta vez com Nem Lhe Tocava, Repressão (com refrão cantado por Tiago Ramos) e a canção que dá nome ao último álbum, Carga de Ombro.

Agora, sobe ao palco Miguel Ferreira, “um dos responsáveis por este álbum” e que prontamente aceita o chamamento do xilofone. Vem por Mim, de ritmo calmo e quase embalador, pede que se baixem um pouco as luzes para criar o ambiente intimista que tanto se sente neste concerto. Mas um dos melhores momentos que a Casa da Música alguma vez presenciou estava ainda para vir.

Vai a meio o concerto. “Esta canção não só foi estreada cá no Porto, como foi pensada para se cantar com um distinto homem do Norte. Se ele estivesse aqui hoje, convidava-o para vir cantar comigo… É o Manel Cruz.” Desvenda Samuel Úria. É aqui que se dá o plot twist: do público, alguém grita “ele está aqui!” e imediatamente se viram todas as cabeças, incluindo a de Úria. “Manel, estás aí? Vem cantar comigo!” E eis que surge Manel Cruz no seu caminho por entre o público, até ao palco onde o espera o amigo.

Para quem não estiver a compreender bem a dimensão do momento, Manel Cruz é para o Porto o que o Mosteiro dos Jerónimos é para Lisboa: o nosso orgulho. Lenço Enxuto é cantada não só pelos dois protagonistas – e que voz tão característica e reconfortante se ouve agora – como por toda a sala, que sabe a letra de cor e tem, talvez, uma lágrima no canto do olho.

EF_SamuelUria (23)Samuel Úria com Manel Cruz

Dificilmente se supera um momento desta grandiosidade, mas o concerto prossegue com o ritmo convidativo e dançável de Palavra-Impasse e Não Arrastes o Meu Caixão (que saudades de 2009). Por uns instantes, voltamos às origens: “Uma vez tive um senhor muito zangado e quase a oferecer pancada porque não toquei esta canção. Então, para precaver, cá está ela.” Trata-se do tango pouco inteligente e muito eficaz de Barbarella e Barba Rala, que tantos suspiros arranca, e conta com a participação do glorioso coro que acompanha Samuel Úria desde o início.

De surpresas é a noite feita, agora à responsabilidade de Ana Bacalhau, que se junta para interpretar Ei-lo (material de novo álbum) e Não Ouviste Nada, dos Deolinda. “Obrigado Porto, até uma próxima!”. Ao que parece, está a chegar ao fim e, supostamente, O Diabo encerraria esta hora e meia de concerto… Supostamente.

EF_SamuelUria (30)Samuel Úria com Ana Bacalhau

Samuel Úria e a sua estimada banda voltam ao palco para nos dizer, um tanto ironicamente, que o silêncio é de ouro e que nunca foram do prog-rock (com Essa Voz e Teimoso).De seguida, a poderosa canção Império e a animada Forasteiro marcam o novo falso alarme de uma despedida que ainda não estava para acontecer. Num segundo encore (porque concerto que é concerto tem os encores que forem necessários!), toda a banda, coro e convidados de Samuel Úria fazem uma atuação itinerante – literalmente – de Carga de Ombro, percorrendo toda a sala no meio do público. Atrevo-me a dizer que, durante esse momento, fomos todos irmãos.

Serve este parágrafo para dizer que, caso não tenham ido a este concerto, deviam ter ido; se foram, ganharam, sem dúvida, uma das melhores noites das vossas vidas.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Audiências Cristina ComVida
Audiências. ‘Cristina ComVida’ bate novo mínimo