anthony-hopkins-as-dr-hannibal-lecter-in

5 filmes com vilões memoráveis

A temporada dos blockbusters aproxima-se e traz consigo um renovado conjunto de heróis e vilões que promete preencher o imaginário pop dos próximos meses. Nem o mais rudimentar dos filmes de ação dispensa as narrativas clássicas do pecado e da culpa, as quais, neste género de cinema, costumam surgir concretizadas num mal exemplar, muitas vezes personificado, que vai assumindo diferentes configurações dependendo da história contada – assassino em série, terrorista, zombie, etc.

Nesta semana recordamos cinco “maus” das suas respetivas fitas que são de tal modo cruéis que chegam mesmo a eclipsar os heróis a eles opostos. Para além das características físicas curiosamente típicas (o Mal é um indivíduo adulto do sexo masculino, Hollywood?), o que une estes vilões que aqui vamos enumerar é a recusa de um modelo de personagem que consiste no mero e necessariamente superável negativo do protagonista honrado e de boa conduta. E outro aspeto comum a todos eles, bem mais evidente: não nos quereríamos cruzar com nenhum destes sujeitos num beco escuro…

Albert Spica – The Cook, The Thief, His Wife & Her Lover (1989)

TheThief

A clássica comédia macabra do cineasta britânico Peter Greenaway tem no seu coração um vilão que dificilmente se esquece: Albert Spica, o odioso dono de um restaurante chique. Símbolo, extremado até à caricatura, de uma burguesia inculta e postiça que não receia recorrer a caminhos fáceis para se impor num meio social severamente competitivo, Spica mantém uma relação abusiva com a sua mulher Georgina, que todas as noites é agredida física e verbalmente diante dos clientes do “Le Hollandais”. Esta personagem poderia reduzir-se a uma indigesta piada de mau gosto, mas não temos como fugir da diabólica interpretação de Michael Gambon, e a nossa curiosidade mórbida impede-nos de desviar o olhar enquanto Spica esmurra e insulta todos os que têm a infelicidade de estar por perto, exercendo a sua retórica de poder e controlo num espetáculo de exibicionismo sádico que é, afinal, a própria condição de “ser vilão” posta a descoberto, satirizada.

Joker – The Dark Knight (2008)

Joker

Por muitas reservas que possamos ter quanto à consistência artística do filme de Christopher Nolan, não recusamos ao excecional Joker de Heath Ledger um lugar nesta lista. O horrível agente da anarquia em The Dark Knight descola-se das suas origens mais “apalhaçadas” da BD e dá uma cara perturbadora ao niilismo do novo milénio, sentimento perverso que surge como resposta à completa indiferença perante a falência das instituições democráticas, financeiras e sociais. Nesta sequela da saga Batman, Joker e o seu amor ao caos estão mais vivos que a fantasmagórica Gotham que vão destruindo, e é isso que verdadeiramente escandaliza o espetador: a violência gratuita e aleatória surge como única solução para o cinismo apático dos tempos em que vivemos. Temos de agradecer este formidável vilão a Heath Ledger, que nele se embrenhou e não pôde regressar.

Lars ThorwaldRear Window (1954)

RW6

Dentro de uma oeuvre tão malvada quanto a de Hitchcock não faltam crimes escabrosos e homicidas carismáticos, pelo que Lars Thorwald, o ambíguo antagonista em Rear Window, poderá parecer uma entrada estranha nesta lista. E, no entanto, é um vilão como nenhum outro na filmografia do incontestável mestre do suspense: aquilo que mais nos assusta neste vizinho, que espiamos com a câmara do fotojornalista L.B Jefferies (James Stewart), é o que ele não mostra, é o que se encontra no domínio do inteiramente não-dito e não-visto. Thorwald começa por ser a fonte e a vítima do nosso fascínio voyeurista, e só muito lentamente revela a sua natureza ruim, até que a incerteza por fim se desfaça no clímax que ensaia um jogo de metaficção – a personagem que “sai do ecrã” (da sua janela) para se confrontar com o espetador passivo (Jefferies e, é claro, nós mesmos). Entre o anónimo vendedor de joias suspeito de ter cometido um homicídio e aquele que, desconfiado, o observa à distância, há uma cortina que se impõe e não permite que a testemunha conheça os pensamentos e justifique as ações deste misterioso homem. Será, talvez, a “cortina” da subjetividade, e Hitchcock, genial, conseguiu filmá-la enquanto outros ainda a teorizavam.

Bobby Peru – Wild At Heart (1990)

bobbyperu

Todas as obras de David Lynch são obscenos contos de fadas povoados por bestas e donzelas em apuros. Wild At Heart, filme que venceu a Palma de Ouro em Cannes e se baseia no homónimo romance neo-noir de Barry Gifford, conta a história de Lulu e Sailor, um jovem casal que é perseguido por criminosos, psicopatas e detetives contratados pela impiedosa mãe de Lulu, que não aprova o namoro da filha. Eventualmente, os amantes conhecem um sinistro gangster chamado Bobby Peru (Willem Dafoe com dentes apodrecidos e uma presença enervante, balouçando do ridículo ao aterrador). Um dos muitos dragões do fantástico lynchiano, Bobby Peru ombreia com o infame vilão de Blue Velvet, Frank Booth, ao apresentar-se também ele como alguém completamente destituído de bússolas morais, um ser repulsivo e de insaciáveis pulsões sexuais, o terror infantil e egoísta do id freudiano. Confirma-se: Lynch diverte-se com os seus monstros mascarados de gente.

Hannibal Lecter – The Silence Of The Lambs (1991)

hannibal-lecter

Vencedor de cinco Oscars, incluindo os de Melhor Filme, Melhor Ator (para Anthony Hopkins) e Melhor Atriz (para Jodie Foster), The Silence Of The Lambs tem o seu principal vilão na figura de Hannibal Lecter, o psicanalista canibal que é já um marco na cultura pop, tendo inspirado diversas sequelas, romances policiais e séries de televisão. O terror em Hannibal (irrepetível performance de Hopkins) nasce de um contraste: por um lado, a sua eloquência e sofisticação atrai-nos; por outro, quando pressentimos que ele é capaz de sucumbir aos deploráveis apetites de que é acusado, afastamo-nos de imediato. É o mesmo terrível e aparentemente impossível equilíbrio de que George Steiner fala quando dá o exemplo dos oficiais nazis que trabalham em campos de concentração de dia e tocam Schubert à noite. Reconforta-nos pensar que razão e abjeção são inconciliáveis, quando uma e outra vez a História e as histórias (como a deste filme) nos desmentem. Hannibal Lecter, nos seus cordiais, quase amorosos, diálogos com Clarice Starling (Jodie Foster), não deixa margem para dúvidas.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
The End of Love
‘The End of Love’. Quando o amor fica sem rede