Depois de quase um ano de pausa, como é habitual, esperávamos que Game of Thrones voltasse cheio de reviravoltas, mas não foi isso que aconteceu. Não que este tenha sido um mau episódio, mas parece que ficou a faltar alguma coisa. Talvez o impasse nos tenha feito aumentar ainda mais as expectativas e por isso sentimos ainda mais que não foram totalmente correspondidas. Mas vamos ao que interessa. O novo episódio, intitulado The Red Woman, estreou no canal HBO no dia 24 de abril, e em Portugal no dia 25 no canal SyFy.

Daenerys Targaryen (Emilia Clarke):

Foi bom ver pela primeira vez lados diferentes da personagem. Já chegava de andar de um lado para o outro e de repente lembrar-se que queria conquistar o trono de ferro e usar os seus dragões quando alguma coisa não estava de acordo com as suas vontades.

Após ser capturada pelo povo Dothraki, vemo-la a ser transportada como uma mera prisioneira e voltamos a ter presente o povo de Kahl Drogo na sua forma mais pura e não polida. Com uma linguagem para lá do obsceno e uma atitude totalmente desrespeitosa para com as mulheres, trazem à memória a primeira temporada da série e o carácter visceral da mesma que, por vezes, parece ter vindo a perder-se.

Daenerys faz uma boa jogada ao fingir que não sabe a sua língua, fazendo-os todos passar por idiotas, mas apenas por alguns minutos. Isto porque fica a saber que, apesar de ter escapado a uma violação (ou mais) por ser viúva de um khal, terá que ir para um templo onde viverá com outras khaleesis viúvas.

Devo dizer que fiquei contente com o desfecho. Daenerys estava a precisar de uma mudança, de um novo desafio que fizesse com que a personagem crescesse e evoluísse. Vê-la novamente numa posição submissa vai trazer ar fresco à personagem que tanto necessita de mostrar algo mais nesta sexta temporada.Game of Thrones

Jon Snow (Kit Harington) e companhia:

Fizeram da questão de este estar morto ou não um dos grandes mistérios desta nova temporada, mas não fizeram quaisquer tipos de esforços para tentarem responder à pergunta. Por enquanto sabe-se que está morto e que está a ser velado por aqueles que lhe são fiéis.

The Watch está completamente dividida entre aqueles que participaram no assassínio do seu comandante e aqueles que estão ao lado deste mesmo depois de morto. Enquanto os primeiros já fazem ultimatos para que se rendam, os últimos, por sua vez, procuram distraí-los até que os selvagens salvos por Jon Snow voltem para honrar a sua morte.

Porém, e apesar de por enquanto este estar para todos os efeitos morto, a hipótese de vir a ser ressuscitado por Melisandre (Carive Van Houten) ganha novos contornos através da chocante última cena do episódio.

Aí vemo-la a tirar a gargantilha e a transformar-se de repente naquela que é a sua verdadeira forma, a de uma senhora bastante idosa. São muitas as perguntas que emergem desta revelação, mas as mais importantes serão talvez “Onde é que Melisandre foi buscar este tipo de poder?” e “Poderá a vitalidade que tem ao pescoço ser usada para trazer Jon Snow do mundo dos mortos?“.Game of Thrones

Sansa Stark (Sophie Turner) e Theon Greyjoy (Alfie Allen):

Toda esta cena foi ridícula. Sansa e Theon saltaram de uma altura assustadora e escaparam sem qualquer tipo de ferida, para depois serem imediatamente capturados uns minutos depois. Mais valia terem estado quietos.

Mas não desesperem. Brienne (Gwendoline) e Podrick (Daniel Portman) aparecem para salvar o dia. Após uma batalha atribulada, Sansa está em segurança e ela e Brienne juram a sua fidelidade uma para com a outra.

Numa série com tantas narrativa à mistura, é difícil dar a devida atenção a todos elas num só episódio, mas acho preferível que os deixem de fora até terem algo a dizer sobre os mesmos, como fizeram e continuaram a fazer neste episódio com Bran (Isaac Hempstead Wright), por exemplo. Contudo, colocarem cinco minutos de história de algumas personagens para cumprir agenda não faz sentido e não respeita a história destas.Game of Thrones

Cersei Lannister (Lena Headey) e Jaime Lannister (Nikolaj Coster-Waldau):

Cersei recebe o navio vindo de Dorne e descobre que a sua filha Myrcella (Nell Tiger Free) está morta. A outrora mulher inquebrável questiona a sua fé, ao perceber que tudo o que uma bruxa lhe dissera há muitos anos atrás se está a realizar. Os irmãos juram ficar ao lado um do outro e enfrentar juntos o que o destino lhes tenha reservado. Enfim, mais do mesmo.

Também em King’s Landing, Margaery (Natalie Dormer) continua presa e desesperada por saber notícias acerca do seu irmão. High Sparrow (Jonathan Pryce) e companhia estão decididos em mantê-la enjaulada até ela confessar os seus pecados. Também daqui não retirámos qualquer novidade. Próximo.Game of Thrones

Em Dorne:

Na localização mais colorida e calorosa da série, o príncipe Doran (Alexander Siddig) é traído por Ellaria (Indira Varma) e pelas suas filhas, conhecidas como Sand Snakes. Estas acreditam que Doran seja um princípe fraco – bem como o seu filho -, incapaz de governar a cidade de Dorne. Assim, as quatro fémeas assanhadas matam Doran e o seu filho impiedosamente.

No meio de uma série em que as personagens femininas estão constantemente a sofrer, devo dizer que esta cena foi memorável. As Sand Snakes sabem o que querem e não têm medo de lutar por isso. Eu pessoalmente não gostaria de me meter no caminho desta família.Game of Thrones

Pontas soltas:

Na cidade de Meereen, Tyrion (Peter Dinklage) apareceu simplesmente a andar e a conversar durante muito menos tempo do que aquilo que os fãs da personagem queriam ver. Agora que Daenerys saiu dessa cena, caber-lhe-á o papel de deambular profissionalmente? Tyrion é das personagens mais interessantes desta série e espero que o resto da temporada lhe dê a atenção devida.

O mesmo destino teve Arya (Maisie Williams), cuja única nova informação que nos é transmitida neste episódio é a de que a veremos a lutar mais vezes com aquela personagem cujo até o próprio nome é desconhecido. A curiosidade ficou aguçada mas foi muito pouco depois de todas as reviravoltas que sofreu no final da quinta temporada. Era preciso mais e este mais nunca chegou.

Em Winterfell, Ramsay (Iwan Rheon) está de luto pela morte da sua amada Myranda (Charlotte Hope). Após jurar vingança e dizer que os culpados pagarão com o dobro da dor, diz que Myranda é “boa carne” e pode servir de comida para os cães. Uma cena que só serviu para nos relembrar o quão psicótico este homem é.

LER MAIS: GAME OF THRONES CONQUISTA AUDIÊNCIAS E PIRATARIA COM NOVO EPISÓDIO

Em suma, o regresso de Game of Thrones teve um gostinho especial como sempre tem, mas soube a pouco. Todas as personagens que continuam vivas tiveram certamente algum tempo de antena mas as novidades foram poucas ou nenhumas. Especial aplauso para Melisandre e Daenerys, que definitivamente lançaram sementes para uma boa narrativa vindoura, mas tudo o resto parece ter sido feito “só porque sim”. Visto que o mistério de Jon Snow parece estar temporariamente resolvido, o episódio falhou em criar uma perspectiva daquilo que a temporada tem reservado. Resta esperar para ver.

NOTA: 5/10

 

Artigo escrito por Helena Santos e João Safara.