É impossível não associar o Dia da Liberdade às vozes de Zeca Afonso, Paulo de Carvalho ou Fausto. Ainda assim, a verdade é que continua a haver quem siga estas passadas e mostre capacidade para intervir quando é preciso.

Alexandra Correia da Silva
Capicua – Pedras da Calçada
Ana Matos é socióloga, como muitos devem saber, e por isso a palavra sai-lhe como manifesto. Só há manifesto quando há liberdade de expressão, por isso Capicua é, sem dúvida, uma das vozes de intervenção no Portugal atual.

https://www.youtube.com/watch?v=198GZT_SBc8

Mão Morta – Os ossos de Marcelo Caetano
Se a Primavera Marcelista foi um engodo, a Primavera de Destroços dos Mão Morta mostra como Adolfo Luxúria Canibal e C.ª têm a língua afiada para intervir. Não é de “agora”, mas o disco Pelo Meu Relógio São Horas de Matar, de onde é tirado este tema, exibe com distinção o lado crítico da banda de Braga.

https://www.youtube.com/watch?v=32tuXb_CdsY

JP Simões – Eu um dia hei-de ter poder
JP Simões é um claro filho da música de intervenção (e não só portuguesa). Cada letra é um poema e cada palavra um gesto de protesto que, em regra, associa ao humor. Este é o típico tema de crítica derrisória a uma certa classe portuguesa.

Gonçalo Almeida
B Fachada – Quem quer fumar com o B Fachada
Numa sociedade de ociosidade, maus vícios e crimes morais, o tio Bê convida-nos a sentar, puxar de um cigarro e ver o mundo a destruir-se.

B Fachada – Questões de Moral
Se Nietzsche fosse vivo entoava, certamente, esta música da frente para trás e de trás para a frente. Mais uma de Bernardo Fachada que defende a teoria dos instintos e, tal como o filósofo, critica os valores morais e questiona a sua força e veracidade.

https://www.youtube.com/watch?v=ccfrGJJ1y3c

Linda Martini – Ratos
Os ratos vão-nos devorar. Esta música dos Linda Martini é uma luta contra a sujidade moral de quem nos governa.

Mónica Azevedo
O Bisonte – Bandidagem

O Bisonte é a materialização máxima da força, do “ir contra a maré”, do ideal revolucionário. Neste panorama surge Bandidagem, um verdadeiro hino contra o conformismo e a apatia. Bandidagem é a música que põe “o dedo na ferida”, rompendo com a postura da sociedade atual. A mensagem que deixa é: enquanto existir esta vontade revolucionária e progressista, ninguém nos vai “deitar no colchão”.